Conselho de Ética finalizará seis processos até o final do ano

O presidente do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, Ricardo Izar (PTB-SP), afirmou nesta quarta-feira que nenhum processo ficará sem investigação na Casa. Segundo o deputado, os processos que não puderem ser finalizados serão encaminhados ao Ministério Público. Foram 67 deputados apontados pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Sanguessugas por suposto envolvimento no esquema de compra superfaturada de ambulâncias com recursos do Orçamento. Desses, cinco foram reeleitos, e poderão ser julgados no ano que vem, ao contrário dos derrotados nas urnas. ?Nenhum processo vai ser esquecido. Se não conseguirmos concluir os processos daqueles que perderam a eleição, vamos mandar para o Ministério Público tomar providências?, disse. Izar espera concluir, até o final do ano, pelo menos seis processos. De acordo com Izar, a CPI não deveria ter encaminhado alguns nomes para o conselho. ?Alguns deveriam ser arquivados, porque não há provas?, ressaltou. Para a semana que vem, o conselho quer ouvir o empresário dono da Planam, Luiz Antônio Vedoin, e pelos menos 10 testemunhas e seis deputados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.