Conselho de Ética do Senado pode arquivar processo contra sanguessugas

As denúncias contra os três senadores acusados pela CPI dos Sanguessugas de envolvimento com a máfia das ambulâncias correm o risco de serem arquivadas pelo presidente do Conselho de Ética do Senado, João Alberto Souza (PMDB-MA). Ele deu sinais nesta quarta-feira, 16, de que os processos por falta de decoro parlamentar contra os senadores Ney Suassuna (PMDB-PB), Magno Malta (PL-ES) e Serys Slhessarenko (PT-MT) poderão acabar em pizza ao afirmar que, em sua avaliação, o depoimento à Justiça Federal e à CPI de Luiz Antonio Trevisan Vedoin, dono da Planam, principal empresa do esquema, não tem validade. "Não aceito a palavra do Vedoin como prova porque ele é um bandido. Somente o depoimento do Vedoin não é suficiente para abertura de processo", disse João Alberto. Ele comprometeu-se a decidir até a próxima quinta-feira, 25, se abre ou não processo contra os três senadores. Segundo depoimento de Vedoin, Suassuna teria recebido R$ 222 mil por meio de seu assessor Marcelo Cardoso de Carvalho. A senadora Serys teria embolsado R$ 35 mil, em dinheiro vivo, e entregue a seu genro Paulo Roberto. Já o senador Magno Malta teria ganho um carro do esquema em troca de apresentação de emendas ao orçamento para compra superfaturada de ambulâncias.Magno não apresentou emendas, mas admitiu ter usado por mais de um ano um carro do deputado Lino Rossi (PP-MT), que foi presenteado por Vedoin.Integrante da mesma ala do PMDB a que pertence Suassuna, o senador João Alberto afirmou nesta quarta-feira que a CPI dos Sanguessugas deveria ter chamado os senadores para explicar o suposto envolvimento com a máfia das ambulâncias. O peemedebista disse ainda que depósitos bancários em contas de assessores servem como provas. Mas observou: "Assessor tem uma grande ligação, mas tem que ver se o senador sabia, se participou". NotificaçãoA decisão de João Alberto poderá ser questionada no plenário do Senado, caso ele resolva arquivar os processos contra os três senadores.Candidato a vice-governador na chapa encabeçada pela senadora Roseana Sarney (PFL) ao governo do Maranhão, João Alberto é velho aliado do senador José Sarney (PMDB-MA) e ligado ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Ele notificou os três senadores, que terão o prazo de três dias úteis para apresentarem suas defesas. O vice-presidente do Conselho, senador Demóstenes Torres (PFL-GO), defendeu a realização de acareação de Vedoin com os senadores. ProcuradoriaNos próximos dias, o Procurador Geral da República, Antonio Fernando de Souza, vai solicitar ao Supremo Tribunal Federal a abertura de novos inquéritos contra parlamentares acusados de envolvimento com a máfia das ambulâncias. Segundo o presidente da CPI dos Sanguessugas, deputado Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ), os novos inquéritos serão feitos com base no relatório preliminar da comissão de inquérito que sugeriu a cassação do mandato de 72 parlamentares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.