Conselho de Ética do Senado começa a investigar Jader

A comissão do Conselho de Ética do Senado começa hoje a investigar o suposto envolvimento do senador Jader Barbalho (PMDB-PA) no desvio de recursos do Banco do Estado do Pará (Banpará). O relatório do Banco Central (BC) sobre o assunto, concluído em 1992, já está à disposição da comissão, e a oposição vai insistir para que o auditor do BC, Abrahão Patruni Júnior, que assinou um parecer datado de 1990 sobre o assunto, seja ouvido pela comissão. O líder oposicionista, senador Eduardo Dutra (PT-SE), vai começar hoje gestões para que o senador paraense também seja ouvido ainda nesta semana. O depoimento de Jader, no entanto, depende do avanço das investigações ao longo da semana. Para hoje, estão previstas audiências em que prestarão depoimentos o ex-presidente do BC Francisco Gros e o ex-procurador-geral do BC José Coêlho Ferreira, a partir das 17 horas. A reunião prevista para hoje dos presidentes do Senado, Edison Lobão (PFL-MA), e da Câmara, Aécio Neves (PSDB-MG), com líderes partidários, para discutir quem deve presidir as sessões conjuntas do Congresso, está esvaziada, já que os deputados são contrários à condução do Legislativo por Lobão e afirmam que essa função é do deputado Efraim Morais (PFL-PB), vice-presidente da Mesa do Congresso e vice-presidente da Câmara. A iniciativa do deputado Almir M. Sá (PPB-RR), que ontem entrou com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) para que este defina a quem cabe presidir as sessões do Congresso (Câmara e Senado reunidos), obriga os parlamentares a ficar em compasso de espera, já que receiam tomar uma decisão que possa contrariar o parecer da corte máxima do Judiciário. ComissõesNa Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, prosseguem hoje as audiências públicas sobre a reforma do Judiciário, cujo relator, senador Bernardo Cabral (PFL-AM), já anunciou a disposição de alterar o texto proveniente da Câmara, que terá, portanto, de retornar para lá. E na Câmara, as atenções do governo estarão hoje voltadas para as negociações em torno da proposta que cria a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre a importação de bens e serviços, conhecida como PEC dos Combustíveis. O líder do governo, Arnaldo Madeira (PSDB-SP), reúne em seu gabinete, às 14 horas, os integrantes da comissão especial da Câmara que discute o assunto e um representante da Receita Federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.