Conselho de Ética da Alerj pede cassação de Álvaro Lins

Deputado estadual foi preso em flagrante pela PF em maio, acusado de lavagem de dinheiro e corrupção

Agência Brasil

05 de agosto de 2008 | 16h53

O Conselho de Ética da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) decidiu nesta terça-feira, 5, aprovar, por unanimidade, o relatório que pede a cassação do ex-chefe da Polícia Civil fluminense e deputado estadual  Álvaro Lins  (PMDB). Lins foi preso em flagrante pela Polícia Federal em maio deste ano, acusado de lavagem de dinheiro, corrupção e formação de quadrilha. Ele foi chefe da Polícia Federal no governo de Anthony Garotinho.   Veja também: PF vê elo entre Álvaro Lins e milícias Entenda a Operação Segurança Pública, que envolve Garotinho PF cumpre mandado de busca na casa do ex-governador PF prende ex-chefe de polícia do RJ; MP denuncia Garotinho   O relatório será encaminhado à Mesa Diretora da Alerj, que decidirá quando o caso será levado ao plenário. Lins foi preso no dia 29 de maio deste ano e solto, pela própria Assembléia Legislativa, no dia seguinte , já que os parlamentares consideraram que a prisão do deputado em flagrante foi ilegal.    

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.