Conselho de Ética aprova pedido de cassação de Roberto Brant

O Conselho de Ética da Câmara aprovou, com o placar apertado de 8 a 7, o parecer que recomendou a cassação do deputado Roberto Brant (PFL-MG), acusado de receber, de forma irregular, dinheiro do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza. Como houve empate entre os 14 conselheiros, foi preciso o voto do presidente do Conselho, deputado Ricardo Izar (PTB-SP), que acompanhou o parecer do relator, Nelson Trad (PMDB-MS). Mesmo assim Brant comemorou o resultado. Segundo ele, o resultado tem sabor de vitória, porque deixou clara a divisão do conselho sobre o processo. O deputado do PFL afirmou ter certeza de que será absolvido pelo plenário da Câmara, mas confirmou que vai deixar a vida pública. Na última hora, o PSDB substituiu o conselheiro Gustavo Fruet (PR) pelo deputado Jutahy Júnior (BA) que votou pela absolvição de Roberto Brant. Fruet não pode comparecer porque participava de reunião na CPI dos Correios. Dentro de alguns minutos começará a reunião, na CPI,que vai votar o parecer pela cassação do mandato do deputado Professor Luizinho (PT-SP).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.