DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Conselho de Ética anuncia relator de processo contra Alencar e recebe representação contra Wyllys

Colegiado confirma que deputado Sandro Alex (PPS-PR) relatará procedimento por quebra de decoro contra o líder do PSOL e que recebeu petição do PSD contra Jean Wyllys

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

12 Novembro 2015 | 13h25

O presidente do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, José Carlos Araújo (PSD-BA), anunciou nesta quinta-feira,11, o deputado Sandro Alex (PPS-PR) como relator do processo por quebra de decoro parlamentar contra o líder do PSOL, Chico Alencar (RJ). Araújo também confirmou o recebimento da representação do PSD contra o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ).

O Solidariedade protocolou a representação alegando que Alencar usou recursos da Casa para fins eleitorais porque parte de sua campanha à reeleição teria sido financiada por um funcionário de seu gabinete. O partido também alega que Alencar, um dos principais adversários do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), teria supostamente apresentado notas frias de empresa fantasma para ressarcimento com a cota parlamentar. Alex terá dez dias para apresentar um parecer prévio sobre o caso.

 

Wyllys x Rodrigues. Ontem o PSD encaminhou o pedido de abertura de processo disciplinar contra Jean Wyllys. Na sessão plenária do dia 28 de outubro, o deputado João Rodrigues (PSD-SC) alega que o colega do PSOL o teria ofendido, acusando-o de roubar dinheiro público. "Os deputados carregam, pelo próprio cargo, uma responsabilidade institucional que não pode ser pormenorizada e denegrida de forma generalizada. É preciso agora provar quem são os ladrões apontados pelo deputado", diz Guilherme Campos, presidente do PSD, a representação.

Rodrigues e Wyllys trocaram acusações no plenário após o deputado do PSD subir na tribuna para defender o projeto que muda o Estatuto do Desarmamento. "A sua vida pregressa eu não conheço. A sua experiência política eu sei. Tenho sete mandatos, fui três vezes prefeito. E tive a honra de ser o segundo deputado mais votado na história de Santa Catarina. Posso até ser criticado, mas vindo do senhor é elogio. Um parlamentar que defende perdão para drogas, que defende que adolescente pode trocar de sexo, mesmo sem autorização dos pais. Isso não é deputado, é a escória deste País, mas ocupa lugar como deputado", disse Rodrigues, que hoje alegou ter se retratado em plenário e retirado suas palavras por achar o tom ofensivo. 

Na sequência da discussão, Wyllys lembrou que o parlamentar do PSD foi flagrado assistindo a um filme pornográfico no plenário. "Homens decentes não assistem a vídeo pornô em plena sessão plenária. Homens decentes não são condenados por improbidade administrativa por roubar dinheiro público, como o deputado foi. Portanto, quem não tem moral para representar o povo brasileiro é ladrão. Eu vou dizer uma coisa: qualquer programa de televisão é mais decente do quem rouba dinheiro do povo na sua administração pública. Qualquer programa de televisão é mais decente que deputado que, em vez de honrar o voto e o dinheiro público, fica usando a sessão plenária para assistir filme pornô", disse Wyllys, para emendar: "Resta saber se seu vídeo pornô era hétero ou homossexual".

Nesta quinta, Rodrigues afirmou que Wyllys precisa provar o que disse. "Nós temos de limpar esse Congresso. As pessoas que não têm comportamento adequado não podem representar o povo brasileiro", declarou.

Questionado sobre a possibilidade de vir a ser representado por assistir conteúdo impróprio para menores dentro da Câmara, Rodrigues alegou que não assistiu a filme pornográfico no plenário, apenas abriu uma mensagem que recebeu de colegas por celular, e que isso não pode ser considerado quebra de decoro. "Se isso fosse o maior crime, a metade dos senhores que estão aqui não estaria hoje aqui", respondeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.