Conselho de Ética anula manobra de senadores; Renan avalia em até 24 horas

O Conselho de Ética do Senado decidiu na manhã desta quarta-feira, 23, enviar para a Mesa da Casa as denúncias contra os três senadores apontados de envolvimento com a máfia dos sanguessugas.Com essa decisão, que foi unânime entre os presentes (oito votos favoráveis), os senadores Ney Suassuna (PMDB-PB), Magno Malta (PL-ES) e Serys Slhessarenko (PT-MT) perdem o tempo a mais que tinham ganho com a manobra regimental feita pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, para atrasar os processos por quebra do decoro parlamentar, que poderão levar à cassação dos mandatos.Na terça, Renan enviou ao Conselho de Ética uma denúncia contra os senadores e não uma representação, exigindo assim novas investigações. O presidente do Conselho de Ética, senador João Alberto (PMDB-MA), e os demais integrantes esperam que Renan reúna ainda na quarta a Mesa do Senado para decidir se aceita ou não a abertura do processo contra os três senadores.Presidente da Casa vai ouvir membros da MesaO presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), anunciou, em seguida, que vai analisar, por escrito, dentro de 24 horas, os membros da Mesa Diretora do Senado sobre o pedido feito pelo Conselho de Ética da Casa para que seja aberto processo por quebra de decoro parlamentar contra os três senadores acusados de envolvimento com a máfia dos sanguessugas.Renan disse que os sete titulares da Mesa serão ouvidos por escrito porque a maioria deles está fora de Brasília. A Mesa vai decidir se abre processos que poderá levar à cassação dos mandatos dos senadores Ney Suassuna PMDB-PB), Magno Malta (PL-ES) e Serys Slhessarenko (PT-MT).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.