Conselho aprova voto aberto para caso Renan por 10 a 5

O plenário do Conselho de Ética do Senado aprovou, por 10 votos a 5, a adoção do voto aberto na sessão em que será apreciado o relatório que propõe o encaminhamento de um pedido de cassação do mandato do presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), acusado de pagar despesas pessoais com dinheiro do lobista de uma empreiteira. A votação derrubou decisão anunciada pouco antes pelo presidente do Conselho, senador Leomar Quintanilha (PMDB-AL), de que a votação seria secreta.A votação do relatório - apresentado em conjunto pelos senadores Renato Casagrande (PSB-ES) e Marisa Serrano (PSDB-MS) - só poderá ser realizada na próxima quarta-feira, porque um aliado de Calheiros, o senador Wellington Salgado (PMDB-MG), apresentou pedido de vista do texto. Há um segundo relatório, feito por outro aliado de Calheiros - o senador Almeida Lima (PMDB-SE) -, mas, segundo a maioria dos senadores, esse texto não será submetido à votação por se tratar de um voto em separado. O relatório de Almeida Lima é considerado voto vencido, já que propõe o arquivamento do processo contra Calheiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.