Conselho aceita parcialmente denúncia contra Bragato

Em reunião, foi nomeado também relator para investigar suposto pagamento de propina ao ex-líder tucano

08 de agosto de 2007 | 18h23

O deputado Mauro Bragato (PSDB) tem uma semana para apresentar defesa sobre a acusação de  ter recebido R$ 104 mil de propina entre 2003 e 2005. Após as denúncias, Bragato se afastou da liderança do PSDB na Assembléia.    Segundo a denúncia, a propina seria de uma organização criminosa denunciada à Justiça em maio por fraude de licitações e superfaturamento de obras da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) na região de Presidente Prudente, base eleitoral do deputado.   Segundo informações da Assembléia Legislativa de São Paulo ó, a decisão foi tomada durante  reunião do Conselho de Ética , presidida  pelo deputado Hamilton Pereira (PT). Também foi nomeado o deputado Davi Zaia (PPS) como relator para apurar os fatos referentes ao suposto recebimento de propinas.   O conselho estabeleceu também prazo de 30 dias para emissão de parecer final sobre o assunto.    

Tudo o que sabemos sobre:
Mauro BragatoAssembléiapropina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.