Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Conselheiros e representantes da União discutem nova diretoria da Petrobrás

Reunião terá outras pautas e pode não terminar nesta quinta-feira

Fernanda Nunes, O Estado de S. Paulo

05 Fevereiro 2015 | 12h26

RIO - Conselheiros da Petrobrás, representantes da União, acionista majoritária da estatal, estão reunidos na sede da empresa, discutindo a substituição da atual diretoria, que renunciou ao cargo nessa quarta. Ao todo, deverão ser substituídos cinco diretores, além da presidente Graça Foster.

A reunião desta quinta não conta com a presença dos conselheiros independentes, representantes dos acionistas minoritários e empregados. Por isso, não pode ser considerado um encontro informal do conselho de administração.

Todos os conselheiros receberam a pauta da reunião que acontecerá no Rio de Janeiro na sexta. O principal tema é a apresentação dos nomes para substituir a atual diretoria. Mas, além desse, há outros assuntos a serem abordados. Entre eles, a estrutura da nova diretoria de Governança, Conformidade e Risco; e a apresentação dos integrantes da comissão especial que acompanha as investigações internas de corrupção. Fazem parte da comissão a ex-ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Ellen Gracie e Andreas Pohlmann, que liderou a área de governança da alemã Siemens.

O balanço financeiro da Petrobrás e a definição de método de cálculo da baixa contábil, decorrente dos desvios de recursos, informações aguardadas pelo mercado, não serão tratados na reunião.

Da mesma forma, não há previsão de discussão das negociações com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Securities and Exchange Comission (SEC), órgãos reguladores do mercado financeiro. A empresa de auditoria PricewaterhouseCoopers (PwC) exigiu da Petrobrás uma negociação com ambas para chegar a um acordo com a estatal sobre o melhor método de cálculo de baixa contábil.

Por causa da extensão da pauta da reunião, há chance de não ser concluída em um único dia, como vem ocorrido nos últimos meses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.