Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Conselheiro que adia votação contra Geddel foi indicado pelo próprio ministro

José Saraiva é nomeado para colegiado após pedido do titular da Secretaria de Governo acusado de uso da máquina pública em interesse próprio

Tânia Monteiro e Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2016 | 17h04

BRASÍLIA - O conselheiro José Saraiva, que “pediu vista” do processo que a Comissão de Ética Pública da Presidência da República poderia ter aberto, nesta segunda-feira, 21, contra o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, foi indicado por ele. Saraiva tomou posse em setembro deste ano, já na gestão de Michel Temer, mas a sua nomeação foi assinada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que estava no exercício da Presidência, após pedido do ministro Geddel, que é seu amigo.

Até agora, Temer tem dito a amigos que pretende manter o ministro baiano na equipe. A descoberta de que o conselheiro responsável pelo pedido de vista na Comissão de Ética foi indicado por Geddel, porém, está sendo considerado “um complicador nesse caso”. A interlocutores com quem conversou nos últimos dias, Temer lembrou que Geddel o ajudou durante o processo de impeachment da então presidente Dilma Rousseff. O baiano sempre foi adepto do estilo “bateu, levou”, atuando como uma espécie de “escudo” de Temer, conhecido por ser mais conciliador.

Cinco dos sete conselheiros da Comissão de Ética Publica votaram por “abrir processo ético” contra Geddel por causa da denúncia feita pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero, que acusou de tê-lo pressionado para liberar um empreendimento imobiliário em Salvador.

Apesar de já ter maioria dos votos (cinco dos sete votos), a comissão deixou a decisão para a próxima reunião, dia 14 de dezembro, para que Saraiva possa ter tempo de apreciar com mais tempo o caso, conforme explicou o presidente da Comissão, Mauro Menezes. Até lá, os conselheiros podem, inclusive, mudar de voto, o que não é esperado. O outro conselheiro que não votou foi Marcelo Figueiredo, que acompanhou a posição de Saraiva, e decidiu deixar para dar seu voto também em 14 de dezembro, quando o caso voltar a ser discutido pela comissão.

Saraiva também foi nomeado na gestão Temer, só que nos primeiros dias da gestão interina do peemedebista. Menezes, em entrevista na manhã desta segunda-feira, disse haver “materialidade para a abertura do processo”, embora reconheça que “cabe ao colegiado decidir”. Além de Menezes, votaram a favor da abertura do processo contra Geddel os conselheiros Américo Lacombe, Suzana Camargo, Luiz Navarro e Marcelo Alencar.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Geddel Vieira LimaMichel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.