José Patrício| Estadão
José Patrício| Estadão

Conseguimos fazer uma revolução sem armas e sem sangue, diz Janaína Paschoal

Advogada destacou que a repetição do mantra de 'golpe' indica que o 'governo não tem argumentos técnicos para rebater a acusação' de crime de responsabilidade de Dilma

José Roberto Gomes, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2016 | 09h42

SÃO PAULO - A advogada Janaína Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, afirmou há pouco à Rádio Estadão que a admissibilidade do processo contra a petista mostra que "conseguimos, por meio de um processo pacífico, mostrar ao nosso País que é possível fazer uma revolução sem armas e sem sangue". Ela destacou ainda que a repetição do mantra de "golpe" indica que o "governo não tem argumentos técnicos para rebater a acusação" de crime de responsabilidade de Dilma.

Indagada pela jornalista Eliane Cantanhêde, do Estadão, sobre a possibilidade arrependimento em razão do impeachment da presidente, Janaína afirmou que "não posso garantir o que vou pensar e sentir daqui a 20 anos". "Somos humanos, somos falhos."

567457Conforme a advogada, não há chances de organismos internacionais, como a Organização dos Estados Americanos (OEA), classificarem o processo de impeachment no Brasil de golpe. "Se fizerem uma análise técnica, vão reconhecer que foi uma expressão máxima da República."

Janaína comentou ainda que, a partir de agora, continuará trabalhando com "seriedade para que a decisão seja confirmada no final". Dilma será afastada da Presidência da República por até 180 dias até que o Senado julgue todo o processo de impeachment. Se dois terços da Casa votarem contra a presidente, ela será afastada em definitivo do cargo.

Por fim, Janaína desejou sorte ao vice-presidente Michel Temer, que assumirá interinamente a Presidência. "Desejo ao vice que faça um governo da virada, que demonstre que tem capacidade de ser estadista."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.