Conheça a trajetória de Paulo Renato

Ex-ministro da Educação morreu ontem, vítima de enfarte

26 de junho de 2011 | 18h53

Um dos fundadores do PSDB, em 1988, o economista gaúcho Paulo Renato de Souza, que morreu no sábado, 25, vítima de enfarte fulminante, ocupou vários cargos públicos tanto no Brasil como no exterior. Um das principais funções executadas foi a de ministro de Educação durante os oito anos de governo do então presidente Fernando Henrique Cardoso.

Entre 1995 e 2002, período em que chefiou o ministério, Paulo Renato ganhou reconhecimento pela criação do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) e do Fundo de Desenvolvimento do Ensino Fundamental (Fundef) e reformulação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SAEB) - exame que avalia, por amostragem, escolas públicas e privadas de ensino fundamental e médio. A repercussão desse trabalho fez com que surgisse no tucano o sonho de suceder o então presidente Fernando Henrique Cardoso.

Em 2006, foi eleito deputado federal pelo PSDB paulista e se licenciou do mandato, em março de 2009,  para assumir a secretaria de Educação do Estado de São Paulo no governo de José Serra. Em 16 de dezembro de 2010, deixou o cargo e se afastou um pouco da política.

O tucano já havia sido secretário da Educação do Estado de 1984 a 1986 no governo Franco Montoro e reitor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) de 1987 a 1991 durante o governo Orestes Quércia.

Paulo Renato nasceu em Porto Alegre, no dia 10 de setembro de 1945, e se formou em economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Além disso, fez mestrado na Universidade do Chile e o doutorado na Unicamp - onde chegou a atuar como professor titular de economia.

 

Fora do País, o tucano foi gerente de Operações do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em Washington. Durante a década de 70, trabalhou na Organização Internacional do Trabalho (OIT) como diretor-associado do Programa Regional do Emprego para América Latina e o Caribe, e outras agências da Organização das Nações Unidas (ONU).

Tudo o que sabemos sobre:
Morte, Paulo Renato, ex-ministro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.