Congresso se rende ao Twitter

Cento e quarenta toques num teclado de computador têm excitado a política brasiliense. Agora, políticos, quando podem, deixam os repórteres de lado e se manifestam no famoso microblog Twitter, febre na internet que chegou de vez ao Congresso nesta semana.

AE, Agencia Estado

22 de agosto de 2009 | 11h41

Dão, inclusive, notícias em primeira mão. Foi o que fez na quinta-feira o senador Aloizio Mercadante (PT-SP) ao anunciar, em seu Twitter, que renunciaria à liderança do partido. ?Eu subo hoje à tribuna para apresentar minha renúncia da liderança do PT em caráter irrevogável.?

O ?irrevogável? perdeu a validade logo na manhã de ontem. A tarefa de divulgar o recuo do senador paulista coube a João Pedro (PT-AM). ?O senador Mercadante entrou em contato comigo hoje de manhã e disse que permanecerá no cargo?, avisou.

Mercadante acabou sendo vítima do seu próprio Twitter. Logo após seu discurso de recuo em plenário, milhares de mensagens de repúdio à sua postura invadiram o microblog. Foram mais de três mil manifestações em poucas horas. ?Fui às ruas pelo PT, fiz campanha pelo PT, votei no PT e hoje você ajudou a decidir o que fazer no futuro: PT nunca mais?, enviou a Mercadante um internauta chamado Igor Polaroid.

Ontem, aliás, o nome do senador estava entre os cinco mais comentados do dia no Twitter brasileiro. ?Estou decepcionado com sua atitude, eu via em você um grande político, mas agora deixou se envenenar pelo próprio partido?, disse o internauta de codinome ?tiagojacot?. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
CongressoTwitter

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.