Congresso retoma trabalho com setor aéreo na mira

Recesso parlamentar termina na próxima quarta-feira; um dos temas que também voltam a pauta é o caso Renan

REUTERS

30 de julho de 2007 | 13h03

A retomada dos trabalhos do Congresso nesta quarta-feira, 1, aumenta a pressão sobre o governo por parte dos parlamentares, que tendem a cobrar novas ações para o setor aéreo, além das que vem sendo anunciadas para o Aeroporto de Congonhas.Também voltará a debate o caso envolvendo o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). A questão aérea deve esquentar nesta semana com possíveis medidas que o novo ministro da Defesa, Nelson Jobim, pode anunciar para o setor, envolvendo até a eventual troca de auxiliares.A CPI da Crise Aérea agendou depoimentos em busca de esclarecimentos sobre o acidente do Airbus A320 da TAM ocorrido na semana passada.Entre os que foram chamados estão o presidente da Infraero, o comandante da Aeronáutica e o presidente da TAM. Há ainda a expectativa de que a CPI receba os dados da caixa preta do avião, como requisitado pela comissão ao comando das investigações.O presidente Lula dá sequência às viagens para lançamento das obras de saneamento e urbanização que fazem parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Na semana que vem, irá a Cuiabá (MT) e Campo Grande (MS) e Belém (PA).  Caso Renan O caso envolvendo o presidente do Senado também voltará a pauta. A Polícia Federal deve concluir a perícia em documentos entregues pelo senador, para se defender se acusações de que teria despesas pessoais pagas por lobista da construtora Mendes Junior. A acusação contra Renan completou dois meses na última quarta-feira. Já o processo a que responde por quebra de decoro ainda está longe de apresentar um resultado. Após diversas manobras para poupar o senador, a Polícia Federal realiza perícia nos documentos que provariam rendimentos com venda de gado.    

Tudo o que sabemos sobre:
BRASILPOLITICAAGENDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.