Congresso pode dobrar salário de parlamentares nesta quinta

O colégio de líderes da Câmara e do Senado e as mesas diretoras das duas Casas se reúnem nesta quinta-feira para decidir o aumento conjunto de salários de deputados e senadores. De acordo com as duas propostas em negociação, o vencimento dos parlamentares pode ser equiparado ao salário de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), de R$ 24.600 mensais, ou somente corrigido pela inflação, o que resultaria em um valor próximo a R$ 16.500. Nesta quinta-feira, o ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Luiz Dulci, criticou a primeira proposta. Para o ministro, a tentativa de aumentar a remuneração dos parlamentares para R$ 24.600 mensais provoca uma "distorção", pois, segundo ele, todos os poderes têm que buscar reajustes "compatíveis" com as possibilidades do País. Dulci afirmou, porém, que a questão deve ser tratada "institucionalmente" porque o governo não pode impor condutas ao Legislativo. "Na minha opinião estritamente pessoal, qualquer tipo de reajuste superior aos parâmetros que estão sendo aventados para o conjunto dos trabalhadores brasileiros acaba gerando algum tipo de distorção", argumentou. "Isso vale tanto para o Legislativo como para o Executivo e o Judiciário". O reajuste mais recente dos parlamentares foi concedido há quatro anos, quando o salário deles subiu de R$ 8.000 para os atuais R$ 12.847, que eram, na ocasião, equivalentes aos dos ministros do STF. Caso a decisão seja pelo maior valor, o impacto nos gastos da Casa será de R$ 157 milhões por ano, incluindo as aposentadorias. O Orçamento da Câmara e do Senado para 2007 é de R$ 3,2 bilhões. Se os presidentes da Câmara e do Senado decidirem assinar um ato conjunto das duas Mesas elevando os vencimentos, o reajuste dos parlamentares não precisará ser votado no plenário da Casa. Com informações da agência Reuters

Agencia Estado,

14 Dezembro 2006 | 08h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.