Congresso não pode evitar reforma tributária, afirma Gedel

Ministro da Integração Nacional diz que governo vai enviar proposta de reforma até fim de fevereiro

Marcelo Moraes, da Agência Estado,

23 de janeiro de 2008 | 19h50

O ministro da Integração Nacional, Gedel Vieira Lima, afirmou que o Congresso não poderá mais se furtar a discutir e votar a proposta de reforma tributária. Além disso, o ministro afirmou que o governo enviará uma proposta de reforma ao Congresso até o fim de fevereiro, quando deputados e senadores devem analisas as mudanças.  Depois de participar da reunião ministerial com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Gedel afirmou que não é possível esperar unanimidade em torno desse assunto para se aprovar uma reforma tributária. "Não dá para ter unanimidade, nem queremos isso. Vamos ser claros. A reforma tributária trata de dinheiro e quem perder alguma coisa logicamente vai ser sempre contra. Mas temos que fazer a melhor reforma para o País", explica. Gedel, que é deputado federal licenciado, disse que o Congresso tem sempre evitado discutir o assunto e não pode mais agir assim. "Os parlamentares reclamam que não legislam, que o governo federal faz tudo pelo Congresso. Inclusive a oposição fala muito disso. Essa então é a hora de votar a reforma tributária. Nós políticos temos que discutir e aprovar no voto o melhor texto. Porque a proposta vai ser mesmo enviada pelo governo em fevereiro", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
reforma tributáriaCongresso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.