Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Declaração de Bolsonaro acirra embate entre Legislativo e Executivo

Líderes do Congresso avaliam que fala do presidente sobre ‘velhas práticas’ no dia das manifestações não é algo ‘positivo’. ‘Bota gasolina na fogueira’, diz Lafayette Andrada, do PRB

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2019 | 11h12
Atualizado 28 de maio de 2019 | 11h22

BRASÍLIA – Apesar de minimizaram os efeitos das manifestações de domingo, 26, lideranças do Congresso avaliaram que as declarações do presidente Jair Bolsonaro sobre as “velhas práticas” da política acirram ainda mais o embate entre o Planalto e os parlamentares. Entre os manifestantes que foram às ruas para defender o governo, houve críticas contra o Congresso, especialmente direcionadas ao Centrão e ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Nesta segunda, um dia após os protestos, o presidente publicou em seu Twitter que a população mostrou-se “extremamente consciente” nos atos ao se manifestar a favor de reformas consideradas impopulares. “A peculiaridade deste evento torna injustificável qualquer tentativa de minimizá-lo”, afirmou.

Jair Bolsonaro escreveu ainda que, conseguir uma mobilização “espontânea” como a de domingo, foi marcante.  “O que vimos ontem foi extremamente significativo e histórico. Não podemos ignorar”. À tarde, o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, disse que Bolsonaro afirmou nsta segunda-feira, 27, que é necessário fazer um “pacto pelo País” e retribuir o “sentimento” da população expressado nas ruas durante as manifestações que ocorreram pelo Brasil no último domingo em apoio às reformas do governo Bolsonaro. 

“Essa voz das ruas não pode ser ignorada, é hora de retribuirmos esse sentimento. O que devemos fazer agora é um pacto pelo Brasil, estamos todos no mesmo barco, e juntos podemos mudar esse País”, disse o presidente, de acordo com o porta-voz.

Repercussão no Congresso

“De efeito prático das manifestações no Congresso, zero, nada”, comentou o vice-líder do PRB na Câmara, Lafayette Andrada (MG), ao Estadão/Broadcast. Para ele, a pauta foi “superficial” e o Congresso acabou sendo alvo de um “sentimento difuso” contra a classe política. “É um sentimento contra as classes políticas, contra os dirigentes, é o povo reclamando que as coisas não estão boas, reclamando dos políticos, então no sentimento difuso isso cai contra o Congresso”.

No domingo, Bolsonaro afirmou que as manifestações deram um recado às “velhas práticas” que não deixaram o povo se “libertar”. A declaração irritou parlamentares, entre eles o líder do PRB. “Isso não é bom, não é positivo. Ele fica surfando nessa onda que existe e que aproveitou muito na eleição, um sentimento contra a classe política, e fica botando gasolina na fogueira. Para ele, é burrice”, disse Andrada.

Outros líderes do Centrão também avaliaram que as declarações do presidente em meio às manifestações atrapalham a relação com o Congresso. “A situação só vai se complicando na medida que o presidente não tem relação com o Congresso e ataca a política todo dia”, disse o presidente do Solidariedade, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força.

“As manifestações não serviram de muita coisa, isso só isola mais o governo. O Rodrigo Maia (presidente da Câmara) é o único que sustenta o governo ainda hoje. Ataque a ele é um tiro na testa, e não no pé”, disse o deputado federal. Já líder do DEM na Câmara, Elmar Nascimento (BA), divulgou nota condenando o “radicalismo e a beligerância” e afirmou que “ninguém governa sozinho”.

‘Nenhuma consequência’, diz Bivar sobre manifestações

A avaliação de que os ataques contra o Congresso não vão causar consequências no parlamento também foi feita pelo presidente do PSL, partido de Jair Bolsonaro, Luciano Bivar. “As pessoas que fizeram ataques não estavam no propósito da manifestação”, disse Bivar, que ocupa uma cadeira na Câmara dos Deputados. “Absolutamente nenhuma (consequência). A manifestação foi muito ordeira. Houve alguns casos isolados que falaram isso, mas não eram a base da manifestação.”

Ao comentar a declaração de Bolsonaro, Bivar afirmou que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e os partidos do Centrão estão preocupados em aprovar reformas. “O presidente não quer dizer que velhas praticas seja o Centrão, velhas práticas não têm nada a ver com o Centrão. O Centrão está preocupado em fazer uma pauta positiva para o Brasil.”

TV ESTADÃO: Como foram os atos pró-Bolsonaro na Avenida Paulista

Para o líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM), o presidente erra quando insinua que o Congresso está impedindo o avanço de pautas importantes para o País. “Ele tem que dizer que práticas são essas porque nós não temos nenhum prática em relação a esse governo ou a qualquer outra coisa, nós estamos tentando ajudar o Brasil”, declarou Braga, que também minimizou a presença de apoiadores de Bolsonaro nas ruas: “Não vi o País mobilizado como em outros momentos”, afirmou, citando as manifestações contra cortes nas universidades no último dia 15. / COLABOROU PAULO BERALDO e AMANDA PUPO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.