Congresso aprova envio de 1,3 mil homens para missão no Haiti

Em votação simbólica, senadores aprovaram também voto de pesar pela morte de Zilda Arns e Luiz Carlos Costa

estadao.com.br,

25 de janeiro de 2010 | 18h34

O Congresso Nacional autorizou nesta segunda-feira, 25, o envio de mais 1,3 mil militares para compor a Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah). A aprovação do decreto legislativo dobra o número de militares na missão passando de 1266 militares para 2600.

 

Veja também:

linkO Haiti que importa

linkAmorim promete perdão da dívida

linkHaiti: 'O último que sair apaga a luz'

A medida visa atender uma mensagem do Presidente Lula feita em 21 de janeiro, solicitando autorização para reforçar a tropa brasileira no Haiti. A mensagem presidencial também foi assinada pelos ministros da Defesa, Nelson Jobim, e das Relações Exteriores, Celso Amorim.

 

A aprovação foi por meio de votação simbólica, e a única manifestação contrária ao envio das tropas foi declarada pelo senador Epitácio Cafeteira (PTB-MA), afirmando que "o Brasil não está em condições de ajudar, e sim de ser ajudado", além de citar as enchentes que atingem as regiões sudeste e sul do país.

 

VEJA TAMBÉM:
Conferência de doadores do Haiti será em março, diz Canadá
Reconstrução do Haiti levará 10 anos, diz premiê
Haiti planeja levar 400 mil vítimas para abrigos fora da capital
Conselho pede apoio a campanha por Nobel à Pastoral
Fiocruz doa 40 toneladas de medicamentos ao Haiti
Premiê do Haiti diz que país pode liderar reconstrução
Ministro Celso Amorim promete perdão de dívida para o Haiti
Especialista italiano critica esforços internacionais no Haiti

O decreto foi aprovado pela Comissão Representativa do Congresso formada por senadores e deputados e que representa o Congresso durante o recesso parlamentar.

 

Serão enviados imediatamente 900 militares, sendo 750 do Batalhão de Infantaria e 150 da Polícia do Exército. Outros 400 homens ficam em território brasileiro, formando uma equipe de revezamento.

A discussão não dividiu oposição e governo. Houve opositores que apoiaram a mensagem do executivo e governistas contrários ao envio de mais tropas. O senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) apoiou o aumento do contingente militar brasileiro no Haiti e foi além. Disse que o reforço deveria atingir também os batalhões de engenharia que podem ajudar na reconstrução do país caribenho.

 

O Congresso não apreciou nenhuma mensagem sobre o envio de dinheiro. Segundo governistas, o envio de recursos, cujo o valor ainda será sendo definido, será feito por meio de Medida Provisória (MP), procedimento que entra em vigor na data da publicação pelo poder executivo.

 

A comissão representativa também aprovou voto de pesar pela morte do diplomata Luiz Carlos Costa, da médica Zilda Arns e 18 militares brasileiros que morreram vítimas do terremoto que atingiu o Haiti no último dia 12 de janeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
HaitiCongresso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.