Confronto não definiu voto de indeciso

Grupo de eleitores reunido pelo ?Estado?, parte ainda sem candidato escolhido, avalia que debate pouco ajudou

Roldão Arruda, O Estadao de S.Paulo

29 de setembro de 2008 | 00h00

O debate realizado ontem pela TV Record contribuiu pouco para ajudar o eleitor a compreender as propostas dos candidatos e a definir seu voto de maneira consciente. Essa é a opinião de um grupo de oito amigos formado por empresários - todos com curso superior - e advogados reunidos ontem pelo Estado para assistir ao debate entre os candidatos à Prefeitura de São Paulo - alguns ainda indefinidos em relação ao seu voto."Parece que a principal preocupação dos candidatos era o show, era cuidar para não aparecer como aquele que apanhou mais e bateu menos, o que foi mais esperto, ou mais ágil", disse Fernando Santos, empresário, de 40 anos, ainda indeciso sobre em quem votar. Ele deve escolher no primeiro turno entre Geraldo Alckmin (PSDB) e Gilberto Kassab (DEM).Na opinião do administrador de empresas Alain Vouriac, de 43 anos, o efeito real do debate só aparece no dia seguinte, nos comentários entre as pessoas que o assistiram. "O debate sozinho ajuda pouco. Mas sempre provoca discussões. E é isso que pode ajudar a mudar uma opinião", afirmou. "O debate ajuda, enfim, a derrubar o tabu de que política e religião não se discute."A advogada e educadora Fabíola Adami saiu mal impressionada com as intervenções dos candidatos no campo da educação. "No fundo, o que mais se discute ainda é a quantidade, o volume de vagas oferecidas, as paredes dos prédios, quando o mais importante para o Brasil neste momento é dar um salto na qualidade", afirmou. Na opinião dela, o candidato que conseguiu apresentar propostas mais consistentes na área foi Geraldo Alckmin; e o que apareceu como o mais desinformado foi Renato Reichmann (PMN).O grupo se dividiu quanto à importância da participação dos candidatos que aparecem com menos destaque nas pesquisas. Parte dos participantes considerou positiva, no sentido de abrir espaço para que o grande público conheça suas propostas. Outra parte criticou. "Fica evidente que alguns estão ali para ajudar os grandes, erguendo a bola para outros chutarem, ou servindo de trampolim", observou Alexandre Barros, de 43 anos, também empresário.Sérgio Meucci Jr., engenheiro e empresário, disse que até ontem não tinha parado para assistir a debates. E não saiu bem impressionado: "Falam como se pudessem resolver em quatro anos problemas estruturais da cidade, que exigem décadas de trabalho. Eu não definiria meu voto a partir de um debate como esse. Mas não sei se falo pela maioria da população, pelas pessoas mais carentes, que estão precisando de medidas urgentes para os seus problemas".A bacharel em Direito Rosana Landi, de 40 anos, também saiu decepcionada: "Diante de um debate como esse, o indeciso pode ficar até mais confuso".A reunião aconteceu no bar e restaurante Bonifácio, na Vila Madalena, bairro de classe média da zona oeste de São Paulo. De maneira geral, os participantes acharam que Marta Suplicy (PT) não se destacou da maneira que se esperava da candidata mais bem posicionada nas pesquisas eleitorais. "Deu a impressão de que esperava um grande momento que não aconteceu. Acho que foi prejudicada pela polarização entre Alckmin e Kassab", disse Carla Martinazzo, publicitária e empresária, de 44 anos.Carla também observou que o figurino da ex-prefeita passou por mudanças nesta campanha. "Ela está mais sóbria, menos colorida, mais parecida com a Luiza Erundina."Dalton Longano, consultor tributário de 41 anos, elogiou a participação de Paulo Maluf (PP): "Ele é carismático, anima os debates. E no confronto com a Soninha atacou de imediato o ponto mais fraco dela, que é a rejeição de setores da população ao nome de uma candidata que admite publicamente ter fumado maconha".Na avaliação dele, Kassab escorregou ao responder a uma pergunta de Alckmin sobre vagas na rede de ensino: "A resposta de que não são 158 mil crianças fora da escola, mas sim 80 mil, não foi boa. Devia ter dito, em primeiro lugar, que uma criança fora da escola já é preocupante". FRASESRosana LandiBacharel em Direito"Diante de um debate como esse, o indeciso pode ficar até mais confuso"Alain VouriacAdministrador"O debate sozinho ajuda pouco. Mas sempre provoca discussões"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.