Confronto deixa 2 mortos no PR

Sem-terra e segurança foram baleados em fazenda

Miguel Portela, CASCAVEL, O Estadao de S.Paulo

22 Outubro 2007 | 00h00

Um líder do Movimento dos Sem-Terra (MST) e um segurança foram mortos a tiros ontem à tarde, durante confronto na fazenda experimental Syngenta Seeds, em Santa Tereza do Oeste, a 530 quilômetros de Curitiba. De acordo com a Polícia Militar de Cascavel, outras oito pessoas ficaram feridas, sendo cinco sem-terra. O confronto ocorreu durante tentativa dos seguranças de retomar o local, que havia sido invadido de manhã por 200 integrantes do MST e da Via Campesina. Valmir Motta de Oliveira, de 32 anos, foi morto com dois tiros, um no abdômen e outro na perna. Conhecido por Keno, era um dos principais líderes do MST na região. O segurança morto, Fábio Ferreira, de 25 anos, levou um tiro na cabeça. "A gente estava na guarita fazendo a segurança do local, quando um Apolo e um microônibus chegaram com os seguranças. Eles desceram e começaram a atirar contra nós", contou uma sem-terra. "Foi um desespero geral, porque se ouviam tiros sem parar. O Keno foi executado ao meu lado." Outro líder do MST, Celso Ribeiro Barbosa, avisou: "Vamos ficar na aérea. É questão de honra." Os seguranças contaram à polícia que foram contratados pelo Movimento dos Produtores Rurais (MPR), ligado à Sociedade Rural do Oeste, que reúne ruralistas da região. O presidente da MPR, Alessandro Meneghel, negou: "Não temos nenhuma participação. A empresa de segurança fez o papel dela, que é proteger a propriedade." Por precaução, a Polícia Militar mantém um efetivo de aproximadamente 100 homens no local. Ontem foi a segunda invasão à fazenda Syngenta Seeds, onde há um centro de pesquisa de sementes geneticamente modificadas. A primeira foi em 14 de março de 2006. O governador Roberto Requião (PMDB) chegou a desapropriar a área, mas o ato foi cancelado pela Justiça. A fazenda foi desocupada em julho. Por nota, a Syngenta informou que está colaborando com as autoridades na apuração do caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.