Conflitos com sem-terras deixam 3 feridos na Bahia

Trabalhadores rurais ligados ao Movimento dos Sem-Terra (MST) foram recebidos à bala ontem, quando tentaram ocupar pela oitava vez a Fazenda Santa Luzia, situada no município de Arataca, a 500 quilômetros de Salvador. Três agricultores ficaram feridos. Antonio José de Jesus foi atingido na cabeça próximo ao olho esquerdo por estilhaços de espingarda e permanecia, até a tarde de hoje, internado no Hospital Calixto Midlej, da cidade de Itabuna, sem risco de morte. As outras duas pessoas foram baleadas de raspão. Um grupo de policiais militares comandados pelo capitão Valdir Souza foi enviado ao local com o objetivo de evitar um conflito maior entre os sem-terra e os funcionários da fazenda, que garantem não terem começado os disparos. Um dos líderes do MST na região, Vanildo Costa disse que pistoleiros foram contratados para atirar nos trabalhadores que há meses rondam a Santa Luzia, considerada improdutiva pelos trabalhadores rurais. "A fome não espera, temos que agir", disse o sindicalista, justificando porque a área já foi tanta vezes invadida. Com 613 hectares, a Fazenda Santa Luzia pertence a Silvia Vieira de Almeida, que sempre tem conseguido a reintegração de posse das terras na Justiça. Ela garante que a fazenda produz cacau e por essa razão está questionando o laudo feito pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), que considerou a propriedade improdutiva. Como o caso está sub-júdice, o MST vem pressionando o Incra com sucessivas invasões no local. Anteriormente nunca havia ocorrido conflito armado. Depois do tiroteio, trabalhadores rurais e funcionários foram desarmados. Ninguém foi preso. A delegacia de polícia local está apurando quem começou a atirar primeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.