Confiança em Dilma sobe de 45% para 52% na CNI/Ibope

A pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta sexta-feira, 27, aponta que mais da metade da população brasileira confia na presidente Dilma Rousseff. Esse índice subiu de 45% para 52%, entre as sondagens realizadas em julho e agora.

RICARDO BRITO E DAIENE CARDOSO, Agência Estado

27 de setembro de 2013 | 12h21

A pesquisa apontou que 43% não confiam na presidente - no levantamento anterior, esse porcentual era de exatos 50%. O número dos que não souberam responder ou não quiseram opinar sobre essa questão permaneceu estável, em 5% dos pesquisados.

A pesquisa, contudo, mostra que, apesar da retomada da confiança na presidente, ela ainda não tem os patamares registrados no primeiro semestre do ano. Em março, por exemplo, 75% dos entrevistados confiavam em Dilma, contra apenas 22% que não confiavam.

A avaliação positiva do governo Dilma subiu de 31% para 37% entre as sondagens realizadas em julho e agora. A avaliação regular subiu de 37% para 39% no período. Contudo, os entrevistados que consideram ruim ou péssimo despencou nove pontos percentuais, de 31% para 22%.

A sondagem mostrou que a presidente recuperou nos últimos dois meses parte da popularidade perdida em meados do ano, após as recentes manifestações das ruas.

Maneira de governar

A pesquisa CNI/Ibope apontou ainda que mais da metade da população brasileira aprova a maneira de governar da presidente Dilma Rousseff. O índice subiu de 45% para 54% entre as sondagens realizadas em julho e agora.

A sondagem registrou que 40% desaprovam a forma de governar de Dilma - no levantamento anterior, esse porcentual era de 49%.

O número dos que não souberam responder ou não quiseram opinar sobre essa pergunta permaneceu estável, em 6% dos pesquisados.

O levantamento foi realizado entre os dias 14 e 17 de setembro, com 2.002 pessoas entrevistadas em 142 municípios.

Mais conteúdo sobre:
CNIIbope

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.