Confederação da Indústria rejeita candidatura de Malan

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), deputado Carlos Eduardo Moreira Ferreira (PFL-SP), afirmou hoje que "não gostaria sequer de imaginar" a possibilidade de o ministro da Fazenda, Pedro Malan, ser candidato a presidente e vencer a eleição de 2002.Ferreira afirmou que os empresários não apoiarão um candidato que não esteja comprometido em realizar a reforma tributária e criticou o governo. "Fernando Henrique Cardoso comprometeu-se com a reforma tributária, mas não a fez", afirmou, durante o lançamento do manifesto da Ação Empresarial contra a proposta tributária encaminhada ao Congresso nesta semana pelo Executivo.Ferreira afirmou que o governo não deu prioridade para a reforma, optando por um tapa-buracos, e jamais a quis. "O Executivo só vê a situação do caixa", criticou.O presidente da CNI afirmou que os empresários conseguirão a reforma tributária, seja neste governo ou no próximo, seja o próximo presidente da situação ou da oposição. "Ainda é cedo para discutirmos o perfil de um candidato do nosso interesse, mas a certeza é que esse candidato terá de estar comprometido com a reforma", afirmou o empresário, reiterando estar habilitado para criticar o governo de Fernando Henrique, pois faz parte da base governista.O empresário afirmou que o setor privado continuará mobilizado e destacou: "Não somos frouxos; vamos continuar a lutar."Ferreira disse ainda que os empresários esperam que todos os candidatos a presidente se engajem nas discussões sobre a reforma tributária. O presidente da CNI afirmou que todos os candidatos serão ouvidos pela classe empresarial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.