Condução da Ancinav deverá ser debatida por todos, diz Gil

O ministro da Cultura, Gilberto Gil, disse hoje, no Museu Nacional de Belas Artes, que o projeto de criação da Agência Nacional do Cinema e do Audiovisual (Ancinav) tem o propósito de dirigir os caminhos da atividade, mas que esta direção deve ser compartilhada e baseada em princípios adotados por todos. "Cabe ao governo dar direção aos processos culturais, mas essa direção precisa ser debatida por todos os setores. É isso que está acontecendo com o projeto da Ancinav", ressaltou o ministro. Gil anunciou uma verba de R$ 11 milhões destinada aos museus brasileiros, através de convênio com a Caixa Econômica Federal. Do total, R$ 6 milhões vão para o Museu Nacional de Belas Artes, o Museu Histórico Nacional, o Museu da Inconfidência de Ouro Preto e o Museu Nacional da Cultura Afro-Brasileira, em Salvador. Os outros R$ 5 milhões vão para um programa de adoção que a Caixa abre em outubro e ao qual podem se candidatar museus públicos e privados. Há ainda uma verba de R$ 1 milhão do Ministério da Cultura para compra e difusão de acervos. Gil disse que os recursos são resultado da negociação que vem fazendo desde o início de sua gestão. O ministro comparou a relação com os museus e com o setor de cinema e audiovisual: "É muito mais fácil lidar com os museus, que, pela própria atividade, ficam quietos e caladinhos no seu canto." "A linguagem audiovisual é viva, se manifesta o tempo todo e é exercida por pessoas mais falantes, assim como acontece com o teatro", comentou. Em seu discurso, Gil lembrou que o Ministério da Cultura lida com todas as áreas. "Não somos apenas o ministério da Ancinav", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.