Condição de Alencar não tem mais tratamento, diz médico

Não cabe mais tratamento à atual condição de saúde do ex-vice-presidente da República José Alencar, e a equipe médica que o atende em um hospital em São Paulo está tomando medidas para que ele não sinta dores, disse um dos médicos nesta terça-feira.

REUTERS

29 de março de 2011 | 12h26

"Ele voltou a ter uma perfuração, voltou a ter uma peritonite, não tem mais condições de tratamento. Estamos dando a ele todas as medidas de suporte para ele não sofrer", disse o médico Raul Cutait a jornalistas no Hospital Sírio-Libanês.

"Ele está com muito analgésico para não ter dor, então ele está sonolento o tempo todo", acrescentou o médico.

De acordo com boletim médico divulgado pelo hospital, Alencar, que foi vice-presidente durante os oito anos do mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, está sem dor e acompanhado de seus familiares. Ele está na Unidade de Terapia Intensiva do hospital e seu estado é considerado crítico.

Alencar, de 79 anos, luta contra um câncer na região abdominal há mais de dez anos e já foi submetido a 17 cirurgias.

Ele retornou à UTI do hospital na tarde de segunda-feira com fortes dores abdominais e foram constatadas uma nova obstrução do intestino e uma peritonite, que é uma inflamação do peritônio, a membrana que encobre as paredes do abdome e a superfície dos órgãos digestivos.

(Por Eduardo Simões)

Mais conteúdo sobre:
POLITICAALENCARCANCER*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.