Conde deve trocar PFL por PTB

O ex-prefeito Luiz Paulo Conde deve deixar o PFL e se filiar ao PTB esta semana. A previsão é do presidente regional do partido, Roberto Jefferson, responsável pela expulsão do prefeito César Maia, homologada por unanimidade pela Executiva do partido nesta segunda-feira.Conde já sinalizou que não pretende dividir o mesmo partido com Maia, o seu maior desafeto político no Estado. O prefeito do Rio, por sua vez, adiantou que só irá se filiar ao PFL se tiver o controle total da legenda durante o processo eleitoral de 2002, o que inviabilizaria qualquer estratégia política traçada por Conde. Segundo assessores, o ex-prefeito, porém, ainda estuda a possibilidade de ingressar no PSB ou mesmo no PSDB.Na última sexta-feira, ele conversou longamente por telefone com o presidente Fernando Henrique Cardoso, a quem explicou toda a situação política que vive dentro do PFL fluminense. Nesta segunda-feira, ele teria sido convidado a ingressar no partido por tucanos de "alta plumagem". Conde não falou com jornalistas nesta terça-feira e seus assessores não quiseram adiantar quem seriam esses tucanos.Se de fato ocorreu, o convite está na contramão do desejo eleitoral do PSDB fluminense, que tem interesse em fazer uma aliança com o PFL em 2002, tendo Maia na cabeça de chapa.O prefeito também não pretende perder o PSDB e demonstrou essa intenção ao nomear o deputado federal Ronaldo César Coelho secretário de Saúde no último fim de semana.Com Coelho, já são dois secretários do PSDB dentro do governo municipal - o outro é Luiz Paulo Corrêa da Rocha, de Transportes, afilhado político do ex-governador Marcello Alencar. Conde também tem na manga um convite para ingressar no PSB, feito há algum tempo pelo governador Anthony Garotinho, que sonha tê-lo numa mesma chapa em 2002. Caso saia candidato à Presidência da República, Garotinho apoiaria o nome de Conde numa eventual disputa ao governo do Estado.Se se decidisse pela reeleição, o governador comporia uma chapa com o ex-prefeito como candidato ao Senado.Uma aliança com o PTB, caso seja esse o caminho de Conde, daria ao PSB de Garotinho cerca de cinco minutos de televisão no horário eleitoral gratuito. "É tempo suficiente para que a gente possa fazer uma boa campanha", disse Jefferson. Conde poderá levar para o PTB três deputados federais, 10 estaduais e cinco vereadores, enquanto com Maia sairiam dois federais, dois estaduais e dois vereadores. "Nosso partido vai ganhar densidade política com a entrada dele", avalia o presidente regional do PTB.Antes de qualquer decisão, porém, o ex-prefeito pretende ir à Bahia, onde irá encontrar-se com o ex-senador Antônio Carlos Magalhães (PFL). ACM simboliza hoje a oposição dentro do PFL nacional, presidido pelo senador Jorge Bornhausen (SC), um dos maiores defensores da volta de César Maia ao partido."Conde considera o ex-senador uma espécie de ´guru´ e não gostaria de tomar nenhuma decisão política sem antes consultá-lo", afirma um dos mais freqüentes interlocutores do ex-prefeito. O encontro deve ocorrer na quinta-feira.César Maia foi expulso do PTB na tarde desta segunda por decisão unânime da Executiva regional do partido. Na semana passada, a Executiva Nacional do PTB já havia instaurado procedimento administrativo para desfiliar o prefeito do Rio sob a acusação de infidelidade partidária.Maia já havia pedido para deixar o partido. Segundo Roberto Jefferson, porém, a expulsão foi decidida às 10h de segunda-feira, e a carta de Maia com o pedido de desligamento chegou às 15h50 no diretório.O prefeito está em Nova York e só deve retornar ao Rio na próxima sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.