Concorrente do Viagra chega em outubro

O Viagra, do laboratório americano Pfizer, medicamento que revolucionou o tratamento da impotência sexual, não está mais sozinho no mercado. Na primeira semana de outubro chega às prateleiras das farmácias do Brasil o concorrente Uprima, produzido pela empresa Abbott, também americana. Os dois produtos vão disputar um mercado que, segundo especialistas na área farmacêutica, já movimenta cerca de US$ 50 milhões por ano - incluindo aí desde as populares doses de catuaba até as injeções penianas. O mais impressionante, porém, é o potencial desse mercado. Estima-se que, embora 47% dos brasileiros em idade sexual ativa tenham algum tipo de disfunção erétil, variando do grau levíssimo ao grave, só 15% deles procuram ajuda médica.Com o envelhecimento da população brasileira, um dos fenômenos demográficos mais impressionantes das últimas décadas, esse mercado tende a crescer. Afinal, a maior incidência de casos de impotência erétil é registrada entre pessoas com mais 70 anos. Por causa desse envelhecimento, que se verifica também em outros países, a Organização Mundial da Saúde (OMS) já considera a disfunção erétil um problema preocupante. Pelas contas da OMS, em 1995 existiam 152 milhões de pessoas no mundo com problemas de impotência. Em 2025, a projeção é de 322 milhões.Uprima é o nome comercial do cloridrato de apomorfina, substância já conhecida e usada em remédios expectorantes, eméticos e hipnóticos. O que não se sabia era a dose certa, que facilita a ereção. Esse foi o achado da Abbott.A apomorfina atua no sistema nervoso central, provocando a liberação de óxido nítrico, neurotransmissor que desempenha um papel crucial na ereção. Toda vez que o cérebro registra estímulos sexuais, libera cargas desse neurotransmissor, que leva à região peniana ordens de relaxamento. O medicamento, colocado sob a língua para derreter, demora em média 20 minutos para fazer efeito, segundo informações do laboratório. A sua ação pode prolongar-se por um período de três horas.Na opinião do urologista Celso Gromatzky, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, a apomorfina tem uma ação semelhante à natural. Gromatzky foi um dos três médicos convidados pela Abbott para participar da coletiva de imprensa hoje em São Paulo, para falar sobre problemas gerais de impotência e sobre o novo produto.O Viagra, nome comercial do sildenafil, demora cerca de uma hora para fazer efeito e a sua ação é mais localizada, agindo diretamente nos vasos sangüíneos da região peniana. Ele deve continuar no mercado. Com dois produtos, os médicos podem escolher o remédio mais adequado para cada paciente. Qualquer uma dessas drogas só deve ser utilizada com receita. A caixa com três comprimidos de apomorfina deverá variar de R$ 44 a R$ 51, conforme a dosagem. A caixa de 4 comprimidos do sildenafil varia de R$ 60 a R$ 75.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.