Concessionárias criticam declarações de subprocurador

A Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) condenou "veementemente" na quinta-feira, por meio de nota, as declarações do subprocurador-geral da República, Aurélio Virgílio Veiga, por "comparar de forma irresponsável" empresas legalmente estabelecidas no País com atividades criminosas, informou o Estado.Na quinta-feira, em palestra na reunião do Grupo de Trabalho Agenda da Infra-Estrutura para o Desenvolvimento, do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), Veiga disse que "só o tráfico de drogas dá mais lucro do que ser concessionário de rodovia"."Isso é grave e se torna inaceitável quando proferido por uma autoridade investida de responsabilidade", disse a entidade. De acordo com a ABCR, o setor de concessão de rodovias trabalha de forma clara e transparente, dentro da lei. Segundo a nota, as 36 concessionárias de rodovias arrecadaram R$ 5,379 bilhões e desembolsaram R$ 5,510 bilhões em 2005 - um rombo de R$ 131 milhões. "O setor ainda opera com déficit de caixa", alegou a entidade. A ABCR reforçou que o comentário do subprocurador "não reflete a realidade". E finalizou: "as 23 melhores rodovias do País são pedagiadas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.