Companhias de Pernambuco estão inativas

De 3 empresas com problemas no TCU, só uma está regular na Receita

Monica Bernardes, RECIFE, O Estadao de S.Paulo

21 de julho de 2007 | 00h00

Das 24 empresas apontadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) como "inidôneas" - impedidas de participar de licitações em todo o território nacional -, três estão em Pernambuco. A Ycal Participações Ltda. e a Rota Mármores Granitos e Construções Ltda. foram responsabilizadas por irregularidades cometidas em obras no município de Joaquim Nabuco, na zona da mata. Em relação a essas empresas é difícil obter dados como funcionamento, nomes dos sócios e histórico de atividades. A Ycal é a única que ainda possuiu registro ativo na Receita Federal. A suspensão imposta pelo TCU à Ycal vai até outubro de 2010. Além disso, há previsão para pagamento de R$ 50 mil (valores de 2004) aos cofres públicos. A reportagem tentou, sem sucesso, entrar em contato os donos da empresa.Apesar de registrada na Junta Comercial de Pernambuco (Jucepe), a empresa está em dívida com o Fisco (estadual e municipal). No Tribunal de Justiça de Pernambuco, a Ycal aparece em 20 processos de primeira instância e em outros 15 de segunda instância. Na maioria deles, é ré em ações movidas pela Vara de Fazenda Pública do Estado. REGISTROSA Rota Mármores Granitos e Construções deveria ter construído dez salas de aula em Joaquim Nabuco. Os únicos registros encontrados sobre ela são virtuais. Na Receita Federal, o CNPJ aparece como "suspenso" desde 2003. Na Jucepe, o cadastro está inativo. Na Justiça Estadual, apesar de ser citada em pelo menos 13 processos, não há nenhum endereço registrado. A empresa estaria no nome de Roberto e Márcia Cavalcanti Siqueira. Assim como a Ycal, a Rota está proibida de participar de licitações até outubro de 2010. A multa, em valor de 2004, é de R$ 20 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.