Fernando Frazão/Agência Brasil
Fernando Frazão/Agência Brasil

‘Como vou saber que a empresa pagou propina?’

Para ministro, criar canais de comunicação e de troca de informações ajudará na punição de empresas por corrupção

Entrevista com

Wagner de Campos Rosário, ministro da Transparência e CGU

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

08 Maio 2018 | 05h00

BRASÍLIA - O ministro da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner de Campos Rosário, diz que a formação de uma rede de colaboração é o primeiro passo para melhorar a punição de empresas por corrupção no exterior.

Por que formar a rede de colaboração?

Como vou saber que a empresa pagou propina fora do País? Preciso criar canais de comunicação com esses países e realizar eventos em que a gente troque as informações. Atualmente, na área civil e penal, o órgão responsável por isso é o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional. Mas aumentou muito a responsabilização administrativa.

+++CGU quer punir empresas por suborno internacional

Há casos de suborno transnacional em investigação?

Temos alguns casos de suborno internacional em empresas que estão fechando acordo de leniência. Elas são obrigadas a relatar. Mas não temos nenhum caso de suborno internacional em que houve sanção.

Qual a maior dificuldade para firmar os acordos?

O mais difícil vai ser criar a rede, um meio de trocar as informações com segurança. Não temos um sistema ainda, mas não deve ser tão caro. Se eu crio esse canal e ele não se torna interessante, cai em desuso.

+++Novo titular diz que Comissão de Ética não fiscaliza ministros

O Brasil atende as convenções ou está ainda aquém do que poderia fazer no âmbito da CGU?

Temos uma lei relativamente recente e não temos mecanismos para saber se nossas empresas estão atuando de forma irregular lá fora. Temos de fazer com que a norma passe a ser cumprida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.