Como testemunha de Cunha, Paes diz que não sabia de corrupção em porto

Ex-prefeito do Rio afirma que soube de irregularidades em obra com dinheiro do FGTS por meio da imprensa

Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

05 de julho de 2017 | 16h52

BRASÍLIA – O ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes (PMDB-RJ) disse na tarde desta quarta-feira, 5, que só soube pela imprensa de irregularidades nas obras do Porto Maravilha. Paes prestou depoimento à Justiça Federal no âmbito de uma ação penal aberta contra os ex-deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) e o doleiro Lúcio Funaro. A investigação trata de um suposto esquema de pagamento de propina para liberação de recursos do Fundo de Investimentos do FGTS (FI-FGTS), administrado pela Caixa Econômica Federal.

“Sei o que vi pela imprensa, a partir de um ano atrás, obviamente não tinha conhecimento de nada disso (antes)”, afirmou Paes em depoimento, ao ser questionado sobre irregularidades no Porto Maravilha. Paes foi chamado na condição de testemunha de Cunha.

De acordo com Paes, o projeto era um “desejo antigo” da cidade do Rio de Janeiro, que queria ter a sua zona portuária renovada. Indagado se Cunha fez pedidos quanto ao projeto Porto Maravilha, Paes respondeu: “Não pediu. E se tivesse pedido, não seria atendido.”

De acordo com Paes, nem Cunha nem Henrique Eduardo Alves tiveram participação no projeto. O ex-prefeito da capital fluminense definiu a relação com os dois como de “absoluta correção”.

O ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Júnior afirmou, em delação premiada, que a empreiteira pagou R$ 19,7 milhões a Cunha para que o peemedebista exercesse influência sobre a liberação de recursos do FI-FGTS para obras do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro. Os pagamentos teriam sido feitos por meio de 36 parcelas de R$ 547 mil cada, pagas entre 2011 e 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.