Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Como presidente, Mourão abre gabinete para gaúchos

Durante a viagem de Jair Bolsonaro a Davos, o presidente em exercício, natural de Porto Alegre, recebe prefeito de Santa Maria e tem agenda com comitiva de Bagé

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2019 | 22h22

BRASÍLIA - Durante a viagem de Jair Bolsonaro a Davos, o presidente em exercício, Hamilton Mourão, abriu seu gabinete, no Anexo II do Palácio do Planalto, para militares e prefeitos, entre eles vários gaúchos. Enquanto isso, coube ao ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, seguir na articulação do governo com ministros.

Natural de Porto Alegre, Mourão recebeu nesta terça-feira, 22, o prefeito de Santa Maria, Jorge Pozzobom (PSDB). Nesta quarta-feira, 22, terá audiência com uma comitiva de Bagé (RS), com prefeitos da Fronteira Oeste, região do Rio Grande do Sul atingida por fortes chuvas neste mês, e com um representante bancário do Rio Grande do Sul. “Como gaúcho, ele está honrando o nome do Estado ao assumir a Presidência”, disse o prefeito Pozzobom, ao deixar o encontro.

Para esta terça, o presidente em exercício deixou pronta uma agenda cheia. O vice-presidente terá pelo menos 12 compromissos em seu gabinete. Pela manhã, recebe os senadores Capitão Styvenson (Rede-RN) e Luiz Carlos do Carmo (MDB-GO), o deputado estadual Marco Aurélio (PRTB-PE), o prefeito de São Bernardo do Campo (SP), Orlando Morando (PSDB), e um coronel do Exército.

À tarde, a agenda de Mourão prevê audiência com a comitiva de Bagé (RS) e os prefeitos das cidades da Fronteira Oeste, além do embaixador de Luxemburgo, desembargador, Cid Goulart, e dos deputados federais Otoni de Paula (PSC-RJ) e Roberto Lucena (Podemos-SP).

Onyx

Do gabinete da Casa Civil, no Palácio do Planalto, Onyx coordenou nesta terça uma reunião entre ministros e prefeitos da Fronteira Oeste, além de receber o governador do Acre, Gladson Cameli (PP). Na segunda, ele já havia comandado uma reunião ministerial para tratar de assuntos referentes à Região Nordeste, além de ter audiência com o senador eleito Chico Rodrigues (DEM-RR). 

O chefe da Casa Civil não fez declarações públicas enquanto Jair Bolsonaro está fora do País. Nesta terça-feira, foi acusado de interferir na eleição interna da Mesa Diretora do Senado em prol em prol da eleição do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), filiado ao mesmo partido do ministro, para a presidência da Casa. A assessoria de Onyx informou que ele não falaria sobre o caso. 

Tudo o que sabemos sobre:
Antonio Hamilton Mourão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.