JOSÉ PATRÍCIO/ESTADÃO
JOSÉ PATRÍCIO/ESTADÃO

‘Como militar me sinto envergonhado pelas ações de Bolsonaro’, diz coronel da PM paulista

Vice-presidente da Associação de Oficiais, Glauco Carvalho diz que presidente contribui para agravar crise do coronavírus

Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2020 | 17h10

“Como Militar, sinto-me envergonhado por tantas ações atabalhoadas, extravagantes, ridículas e mesquinhas.” As palavras do coronel da PM paulista coronel Glauco Carvalho sobre o presidente Jair Bolsonaro causaram um rebuliço entre seus pares. Glauco tem experiência com crise. Enfrentou os ataques do PCC e chefiava quase 30 mil homens do Comando do Policiamento da Capital quando passou para a reserva.

Em meio à crise do coronavírus, decidiu fazer o desabafo em um grupo de policiais no WhatsApp. A postagem do coronel terminava assim: “E esse presidente, despreparado para o cargo, me comparece à manifestações e diz 'se eu pegar é responsabilidade minha'!!! Surreal. Deveria sofrer um impeachment!!!”

Hoje Glauco é o vice-presidente do Clube dos Oficiais da PM. E desde quinta-feira, 19,  dia de sua manifestação, tornou-se uma voz dissonante em um meio que majoritariamente apoia o presidente. Acabou criticado por colegas bolsonaristas, mas também recebeu apoios, principalmente de civis. Glauco conheceu Bolsonaro quando trabalhava na assessoria parlamentar da PM no Congresso, nos anos 1990. Eis sua entrevista:

Por que o senhor decidiu se manifestar agora?

No meu entender há uma postura muito frágil do presidente da República em relação à gravidade da difusão dessa doença em solo brasileiro. E a inação dele vai gerar muitas mortes no Brasil - eu espero estar sinceramente equivocado. Essa postura dele de minimizar o quadro só vai agravar a situação e levar à perda de vidas. Isso me levou a me envergonhar de ser militar como ele e sermos preparados para crises graves. Fiz essa postagem me desculpando perante um grupo de pessoas pela postura de um presidente que eu entendo não estar apto a exercer o cargo político mais importante do País.

Qual a importância do planejamento e da gestão de uma crise para o senhor? E de que forma o presidente não estaria agindo segundo o que se esperava de um militar?

O militar é formado para evitar as crises e, entrando nas crises, achar alternativas para sair delas. O grande problema do Bolsonaro é minimizar e desprezar a crise. E ao desprezá-la, não toma medidas.

Vou dar um exemplo concreto: fui oficial de Estado-Maior da Polícia Militar por 15 anos. Você prepara cenários e, sempre, prepara-se para o cenário mais agudo, o mais grave. Neste momento, eu tenho certeza de que os oficiais e as praças do Centro de Inteligência e do Departamento de Operações da PM de São Paulo devem estar fazendo planejamentos para o pior cenário. Devem estar trabalhando com as seguintes hipóteses: proteção de supermercados; proteção de hospitais, pois em um caso de agravamento as pessoas podem desacatar médicos e agredir enfermeiros; prevenção de saques; transporte de cadáveres; incorporação de novos policiais, pois não vamos poder parar de formar policiais; armazenamento de corpos, pois pode não haver locais suficientes para mantê-los; cremação de cadáveres, como em Bergamo, na Itália; infecção de policiais, pois eles estão na rua e terão contato com pessoas; mecanismos de controle de pessoas e controle de portos, aeroportos e rodoviárias, acompanhando enfermeiros para fazer exames em quem chega a São Paulo; requisições de bens; check point com isolamento total de determinadas áreas e outras medidas que contribuam para controlar a doença.

Tenho a convicção plena de que meus companheiros da ativa estão trabalhando com o pior cenário. Se vier o melhor cenário, ótimo. Se não vier, a sociedade estará trabalhando para enfrentá-lo. O mais grave erro de Bolsonaro é desprezar o quadro que a sociedade está passando.

Prever esse cenário serve para se preparar se ele acontecer. É isso?

Eu participei das crises contra o PCC de 1999, 2001, 2006 e 2012. Há um grande temor no governo de como transmitir informações para a população sem criar alarme. Por outro lado, a omissão pode gerar consequências drásticas e um posicionamento contrário da sociedade em relação ao governo. Em 2006, se fez isso, atrasou-se o aviso aos policiais do que estava para acontecer (os ataques do PCC). E há quem atribua a morte de policiais a essa decisão.

Eu não quero dizer que essas medidas vão ser tomadas. Mas elas têm de estar preparadas e escritas em um plano de operações. Se o quadro se agravar onde estão os hospitais, onde estão as farmácias e os supermercados? Esse é o momento de se preparar para o pior, pois se o caso se agravar você já tem plano de ações pré-definidos. E é exatamente o que Angela Merkel está fazendo na Alemanha, que está tomando medidas gradativas desde janeiro. Em que pese terem pouco menos de 90 mortes, eles estão tomando medidas gradativas de controle.

Nesse cenário, no pior dele, o presidente estaria errado em pensar em Estado de Sítio?

Eu acho que ele não estaria errado, tanto que a região Leste dos Estados Unidos admite adotar lei marcial caso as medidas de isolamento forem descumpridas, mas para adotar o Estado de Sítio, Bolsonaro terá de contar com grande legitimidade. A impressão que eu tenho é que a legitimidade do presidente se esvai rapidamente.

Quando ele compara um surto desse com uma “gripezinha”, quando ele autoriza que os cultos e missas continuem ocorrendo e se põe contrário a governadores que estão tomando medidas para conter a evolução da crise e difusão da doença, e quando ele, principalmente, comparece a um ato público que é um ato que se constitui em uma tragédia para a democracia - e não só do ponto de vista político, no sentido de comparecer a um ato que atenta contra outros Poderes, pois ele poderia estar com a gripe transmitindo para outras pessoas -, ele perde a legitimidade. E, para aplicar o Estado de Sítio numa democracia, você pressupõe uma legitimidade grande de um presidente; e eu tenho a impressão de que ele terá sérios problemas daqui para frente.

Qual seria o papel dos militares numa situação como essa?

Tenho a impressão de que a Polícia Militar e a classe médica, esses dois segmentos, vão ser os grandes líderes da saída institucional da crise que se vislumbra. As pessoas ainda não têm ideia do que está ocorrendo no dia a dia dos hospitais, entre os médicos e os policiais. Os médicos serão os líderes no primeiro momento, e a PM vai assumir relevância grande no segundo momento.

Só para lembrar: em 1904, a Força Pública de São Paulo mandou dois batalhões para o Rio de Janeiro para impor a vacina obrigatória, uma vez que a população do Rio não aceitava ser vacinada. Nós temos história no tratamento de questões ligadas à saúde pública. Os médicos para curar as pessoas, e a PM, no segundo momento, pois acredito que pode haver desorganização social em função do quadro econômico que se vislumbra para o Brasil.

Como um policial vai impor a ordem, se esse impor a ordem implica às vezes contato físico com quem pode estar doente. A polícia tem equipamento para isso? Está preparada para esse tipo de baixa?

A polícia nesse momento não está, tanto quanto a área médica. Talvez a sociedade não saiba, mas há grande aflição na área médica, pois nem todos têm condições, equipamentos para seus profissionais, como avental impermeável, óculos de proteção, luvas e toca e máscara N95. Se nos hospitais não têm, imagina o policial, uma vez que se demorou a tomar medidas. A minha grande insatisfação com o governo Bolsonaro, afora sua postura autoritária, é o fato de ele ter demorado três meses para agir. Nesse momento, já era para nós estarmos entrando em uma segunda fase.

Minha maior preocupação é com as vidas das pessoas que podem morrer por falta de atenção do serviço público de saúde e com a vida de policiais militares, de médicos e enfermeiras. São os cabos e soldados, tenentes e capitães, que estão na ponta de linha que muito provavelmente vão contrair o vírus e vão transmitir às suas famílias. Teremos um agravamento da crise. Temos de pensar na ponta da linha, no policial que está no serviço. Temos de pensar no serviço operacional. O atraso em tomar medidas pelo presidente da República e as suas atitudes erráticas e contraditórias vão levar a uma dimensão da crise que o País não tem ideia. Fui criticado por colegas, mas eu temo pelo pior.

Mas o que o presidente poderia ter feito há três meses?

O surto na China teve início em novembro. Em dezembro, já sabendo da dimensão do problema na China, ele já deveria ter adotado uma série de medidas em relação ao fluxo de pessoas que entrava e saía do Brasil. Até agora nós não temos quantidade de exames suficientes, equipamentos e testes para atender à população. Se ele tivesse tomado algumas medidas naquela época, provavelmente, agora já estaríamos em segundo etapa. Teríamos testes, máscaras, luvas, aventais, esses EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) que as pessoas veem na televisão na China e na Itália. Os nossos médicos e os nossos policiais e bombeiros estão completamente vulneráveis.

Eu espero estar errado, temos 40 milhões de trabalhadores informais e temos de pensar nessa população vulnerável. Se você me perguntar, se Bolsonaro tivesse agido antes, se poderia ter contido (a covid-19), é uma incógnita, mas eu sei que a inação dele levou ao que a gente está vivendo hoje. Mas as pessoas estão cegas pela ideologia. Tanto quanto o PT criou a ideologia do Lula livre e do Lula inocente, criou-se agora a do Bolsonaro salvador da Pátria. Elas são apenas versões divergentes, mas no fundo são a mesma coisa, e o tempo vai dizer isso para todos nós.

O senhor é filiado ao partido Novo e João Amoêdo fez uma declaração forte contra Bolsonaro. Essa posição do senhor tem relação com isso?

Nenhuma. Eu estou há dois anos afastado do partido Novo por uma série de circunstâncias puramente pessoais. Particularmente, acompanhei de longe as declarações do Amoêdo. Mas isso mostra a fragilidade do governo Bolsonaro. Ele tem perdido apoio gradativamente dos liberais e dos conservadores, como a deputada Janaína Paschoal. A legitimidade dele está entrando em erosão.

Por enquanto, sou voz minoritária na Polícia Militar, mas temos efetivo de 90 mil pessoas que vai trabalhar cotidianamente. Um efetivo extremamente exposto à doença, tanto quanto o segmento evangélico. Haverá corrosão da legitimidade dele nos segmentos que lhe deram sustentação. Meu posicionamento independe do ex-presidente do Novo, que eu respeito muito. Meus posicionamentos em relação ao Bolsonaro já eram críticos desde o ano passado, mas se avolumaram agora porque eu acho que a inação dele vai gerar uma crise gravíssima no Brasil.

O senhor conheceu Bolsonaro nos anos 1990?

Eu tive contato com ele quando eu era assessor parlamentar da PM em Brasília, nos anos 1990. Naquele momento, havia a PEC 46, da Zulaiê Cobra, e a do Hélio Bicudo, que extinguiam as Polícias Militares. E ele (Bolsonaro) nunca foi um parlamentar atuante para conter o avanço tanto dessas PECs.

Quer dizer que no passado ele nada fez para impedir a extinção das PMs?

Nada fez. Eram outros parlamentares, de Minas, do Rio Grande do Sul e de São Paulo, o Hélio Rosas entre eles, que fizeram uma frente para impedir a extinção das PMs. Além do que havia uma contrariedade imensa nas Forças Armadas em relação a Bolsonaro.

Por quê?

Porque eles consideravam o Bolsonaro uma pessoa desordeira, uma pessoa desqualificada e indisciplinada. Essa era a visão das Forças Armadas.

E qual é a visão do senhor sobre Bolsonaro?

Essa é também a minha visão sobre Bolsonaro. Na minha opinião, ele é uma pessoa despreparada para ser o primeiro mandatário do País. Lamentavelmente, o desgoverno do PT e a posição dúbia do partido em relação aos que transgrediram as regras legais levaram à eleição dele. Tanto que meus colegas dizem: ‘E se fosse o Lula, e se fosse o fulano ou o beltrano?’ Mas nós não temos só essas alternativas. O Brasil se radicalizou. Não existe só o preto e o branco. O Brasil se radicalizou em razão do quadro grave e agudo. Bolsonaro era a alternativa que tinha. As pessoas não queriam mais alguém que fosse do establishment e saiu o Bolsonaro. Há que aparecer uma nova liderança de centro que tenha condições de aglutinar a Nação e fazer com que a Nação ache solução para seus problemas.

O senhor disse que Bolsonaro é autoritário. Por quê?

O presidente Bolsonaro tem atitudes radicais e autoritárias. Na literatura sobre o populismo dos anos 1970 e 1980 veremos que o quadro se agravou na América Latina em razão de lideranças carismáticas que desprezaram as instituições e os poderes de representação e se arvoraram no papel de salvadores da pátria. Essa é uma literatura sólida e nós assistimos à mesma coisa agora com uma roupagem um pouco diferente. Ele é ainda autoritário porque representa setores autoritários da sociedade brasileira.

Eu lembro o cientista político Guillermo O’Donnell, que se radicou nos Estados Unidos, e que tem a teoria do autoritarismo socialmente implantado nas sociedades latino-americanas. Bolsonaro é resultado desse autoritarismo que existe no seio da sociedade, que faz as pessoas não respeitarem regras, as pessoas se sentirem acima da lei e desprezarem umas às outras e quererem impor de forma dramática e descomunal sua vontade umas às outras. O Bolsonaro é um pouco o resultado de tudo isso; e o Brasil não precisa disso. O Brasil tem outros segmentos importantes da sociedade que não se coadunam com esse tipo de comportamento.

Precisamos achar alternativas, pois o radicalismo nunca é uma alternativa. Nós precisamos achar alternativas democráticas, dentro do jogo institucional. Não podemos agravar o descontrole social com o institucional; e ele não tem estatura para isso. Esse é o grande problema. Precisamos achar alternativas que levem à solução pacífica e dentro do quadro institucional e da Constituição para que a nação possa continuar dentro de seu destino histórico.

O presidente da associação, coronel Antonio Chiari, disse que o senhor não fala em nome da associação?

Eu respeito a opinião do presidente. Mas sou vice-presidente da associação, pois fui eleito. Vamos passar por período complexo e, em que pese a descortesia de ele não me consultar antes de se manifestar, vamos ter de unir esforços para enfrentar esse período. Meu pronunciamento, de fato, desde o começo foi e é em caráter pessoal e não como vice-presidente da associação.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Jair BolsonaroGlauco Carvalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.