Como Lula, vice também duvida de elo de Dirceu com mensalão

José Alencar defende a inocência do ex-ministro, assim como Lula em entrevista domingo ao NYT

Reuters

24 Setembro 2007 | 15h51

A exemplo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente em exercício José Alencar defendeu nesta segunda-feira, 24,  a inocência do ex-ministro José Dirceu, que está sendo investigado no Supremo Tribunal Federal como um dos articuladores do mensalão.  Veja Também: Lula diz duvidar de envolvimento de Dirceu com mensalão  Especial: Os 40 do mensalão "Eu acredito também, pelo apreço que tenho pelo ministro José Dirceu, que não haja nada que possa representar prova contra ele. Mesmo se não achasse, torceria para que isso não acontecesse", disse Alencar a jornalistas, em evento da indústria naval, ao ser perguntado sobre a declaração de Lula em entrevista ao New York Times.  No último domingo, o presidente Lula disse em entrevista duvidar do envolvimento de Dirceu no esquema." Eu não acredito que haja qualquer evidência de que Dirceu cometeu o crime de que ele está sendo acusado." O ex-ministro é processado por corrupção ativa e formação de quadrilha.   CPMF Alencar defendeu a prorrogação da CPMF, em debate na Câmara, embora considere que a carga tributária no País é muito elevada.  "Não podemos adotar uma irresponsabilidade em relação ao orçamento e à questão fiscal. A arrecadação da CPMF está prevista para o próximo ano. Se tirarmos do orçamento não sabemos para onde vamos", disse Alencar.  "O governo deseja acabar não só com a CPMF, mas com outros impostos indiretos, como PIS, Cofins e ICMS", acrescentou, ao se referir à proposta de reforma tributária, que propõe um imposto único de valor agregado.

Mais conteúdo sobre:
Mensalão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.