Alan Santos/PR
Alan Santos/PR

Como funcionam os voos de autoridades em aeronaves da Força Aérea Brasileira?

Secretário-executivo da Casa Civil utilizou uma aeronave oficial para se deslocar até Nova Délhi

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2020 | 13h20

O presidente Jair Bolsonaro quer rever as regras de uso de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB). Nesta semana, o secretário-executivo da Casa Civil, Vicente Santini, utilizou uma aeronave oficial para se deslocar até Nova Délhi, na Índia. Bolsonaro anunciou que vai demiti-lo. Veja como funciona e quem tem direito a voar nos aviões da FAB pelas regras atuais:

Quem tem direito?

Vice-presidente da República; Presidentes do Senado Federal, da Câmara dos Deputados e do Supremo Tribunal Federal; Ministros de Estado e demais ocupantes de cargo público com prerrogativas de ministro de Estado; Comandantes das Forças Armadas e Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas.

A legislação não apresenta restrição quanto aos acompanhantes.

Em que situação?

As aeronaves podem ser solicitadas por motivo de segurança, emergência médica e viagens a serviço. Decreto de 2015 determinou que somente o vice-presidente da República e presidentes do Senado, da Câmara e do STF têm direito ao deslocamento para o local de residência permanente.

Qual a responsabilidade da FAB?

Após a realização dos voos, as informações são registradas no site da FAB (www.fab.mil.br/voos) no primeiro dia útil seguinte da como foram declaradas pelo solicitante. Não cabe à FAB apurar se os motivos das solicitações foram "efetivamente cumpridos".

Quanto custa?

Os custos de quanto a FAB gasta com os voos são classificados no grau de sigilo "reservado" porque são considerados estratégicos por envolverem aviões militares. O Estado apurou que o custo é de US$ 6 mil a US$ 7 mil por hora de voo do Legacy incluindo as despesas com querosene de aviação, logística, manutenção e tripulação.

Fonte: Força Aérea Brasileira 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.