Comitês redefinem estratégias na reta final de campanha

A campanha paulistana chega à última semana com o cenário indefinido sobre quem estará no segundo turno. Comitês redefinem estratégias para reta final da campanha, a mais disputada e indefinida desde a instituição do segundo turno, há 20 anos. Líder nas pesquisas, o candidato do PRB, Celso Russomanno, tentará frear a queda já detectada nas intenções de voto respondendo a ataques dos adversários, mas sem "queimar pontes", principalmente com o PT, sigla que espera ver apoiando seu nome caso seja superada pela candidatura do PSDB no próximo domingo.

AE, Agência Estado

30 de setembro de 2012 | 08h57

Fernando Haddad, por sua vez, vai martelar o fato de ser o candidato da presidente Dilma Rousseff, que estará amanhã ao seu lado no palanque, e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, fiador de sua candidatura. O candidato do PT concentrará esforços no eleitorado da periferia, onde seu desempenho, no momento, está bem abaixo daqueles obtidos por nomes de seu partido em sucessões anteriores. Para isso, mantém a estratégia de desconstruir Russomanno, cujo apoio é alto nessas áreas.

O tucano José Serra, que divide tecnicamente o segundo lugar nas pesquisas com o candidato do PT, vai se colocar como uma "escolha segura". Também vai explorar o antipetismo presente em setores do eleitorado paulistano, usando, para isso, o julgamento do mensalão. Para tentar lidar com a alta rejeição, manterá no ar propagandas nas quais garante que permanecerá os quatro anos no cargo caso seja eleito prefeito de novo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.