Comissões da Verdade visitam instalações do DOI-CODI no Rio

Ao todo 15 pessoas, incluindo vítimas de tortura e peritos puderam conferir as estruturas do 1º Batalhão de Polícia do Exército que foram utilizadas pela ditadura entre 1970 e 1975

Thaise Constancio, O Estado de S. Paulo

23 de setembro de 2014 | 13h54

Rio - As comissões nacional e estadual da Verdade visitaram, na manhã desta terça-feira, 23, o 1o Batalhão de Polícia do Exército, na Tijuca, zona norte do Rio. O quartel funcionou como DOI-CODI (Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna) entre 1970 e 1975 e diversos presos políticos afirmam que foram torturados e viram companheiros morrerem no local.

A visita foi acompanhada por seis membros das comissões, sete vítimas e dois peritos que verificaram as modificações feitas nos prédios desde o início da ditadura militar. Desta vez, os 15 integrantes puderam entrar nas instalações sem problemas, inclusive onde funcionou o Pelotão de Investigações Criminais: um prédio de dois andares nos fundos do quartel que funcionava como espaço de tortura. Durante a visita, as vítimas lembraram que nesse espaço eram colocadas na "geladeira", submetidas a temperaturas e sons extremos. O nome foi mantido até hoje. No prédio da frente havia uma enfermaria.

"Muita coisa foi conservada e as vítimas conseguiram reconhecer a maioria dos lugares onde foram torturadas", afirmou João Ricardo Dornelles, membro da Comissão Estadual do Rio (CEV-Rio). "A perícia técnica, os testemunhos de quem sofreu tortura e o depoimento de agentes que eram violadores de direitos humanos, reforçam a tese de desvio de finalidade (das instalações militares) e faz uma rediscussão sobre a Lei de Anistia".

"Nossa finalidade (com a visita) foi comprovar os fatos e demonstrar que houve desvio de finalidade, já que foram cometidos diversos atos de violação de direitos humanos nessas instalações", avaliou Pedro Dallari, coordenador da Comissão Nacional da Verdade (CNV).

Dallari ressaltou que o grupo foi recebido "de maneira digna pelo Exército que nos deu acesso a todas as instalações". Na chegada, o comandante do Batalhão, coronel Luciano disse que era "um orgulho muito grande receber todos vocês (CNV, CEV-Rio e os ex-presos políticos)".

À tarde, as comissões e os ex-presos políticos visitarão o Hospital Central do Exército (HCE), no bairro de Triagem, também na zona norte. Para o local foram levados diversos presos políticos depois de serem torturados nas instalações do Exército.

Tudo o que sabemos sobre:
Comissão da VerdadeditaduraDOI CODI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.