Comissão vai analisar acordos com Canadá

Os projetos que estiverem tramitando no Senado, envolvendo relações de qualquer natureza entre Brasil e Canadá, não irão mais direto ao plenário, mas terão de ser analisados antes pela Comissão Especial criada pela Casa com essa finalidade."A decisão não tem nenhum caráter de retaliação contra o Canadá", assegurou o senador Roberto Freire (PPS-PE)."Mas como tivemos um contencioso recente com aquele País, qualquer assunto que trate das relações com o Brasil precisa ser melhor discutido à luz de outros aspectos econômicos e políticos", disse Freire, ao justificar a suspensão da votação do projeto do senador Arthur da Távola (PSDB-RJ), de aprofundamento das relações entre os dois países, prevista para esta quarta-feira, em plenário.O projeto terá de passar primeiro pela comissão especial. Nesta terça-feira, na reunião da comissão, o senador Osmar Dias (PSDB-PR) lembrou que o Canadá, embora tenha anunciado que levantou o embargo em relação à carne brasileira, mantém o boicote e até agora não retomou as importações rotineiras dos produtos do Brasil.O senador Waldeck Ornéllas (PFL-BA), relator da comissão especial, vai propor após a Semana Santa um programa de trabalho que deve resultar em dois relatórios parciais imediatos, tratando das disputas entre as indústrias de avião Embraer/Bombardier e dos problemas resultantes da contaminação do gado pela vaca louca. O senador Roberto Freire informou ainda que há consenso entre os membros da comissão de que seja criada no Senado uma subcomissão permanente para acompanhar o comércio exterior brasileiro. A princípio, a Câmara dos Deputados também havia decidido não votar nenhuma questão envolvendo os dois países. Mas, com o anúncio do fim do boicote, resolveu retomar as discussões.O Senado, no entanto, fez o caminho inverso da Câmara. Alegando que o Canadá não retomou as importações de carne brasileira, decidiu firmar posição e transferir para a comissão especial, que desenvolverá seus trabalhos durante 24 meses, a avaliação de todos os projetos que envolvam os dois países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.