Comissão receberá 3.700 caixas de papéis

Presidente da CPI programou vigilância 24 horas para guarda do material

Christiane Samarco e Marcelo de Moraes, O Estadao de S.Paulo

01 de abril de 2008 | 00h00

O governo já definiu sua estratégia na CPI dos Cartões: a ordem é inundar a comissão de papel. O primeiro lote, com cerca de três centenas de caixas de documentos, será entregue hoje aos deputados e senadores da CPI.A presidente da comissão, senadora Marisa Serrano (PSDB-MS), informou ontem que já definiu com a administração do Senado o uso de um depósito no prédio, com vigilância durante as 24 horas do dia, para a guarda do material.Só do Ministério do Planejamento serão cem caixas de papel referentes às despesas dos últimos dez anos, efetuadas com cartões de débito e emissão de cheques das contas do tipo B, ou pagas à vista com recursos do fundo de suprimentos. Os Ministérios do Desenvolvimento Agrário e da Previdência Social também prometeram enviar seus levantamentos ainda hoje.Quem está coordenando a recepção do material é a Secretaria-Executiva do Planejamento, que pretende reunir o material desses três ministérios em um único lote e remeter à CPI. Como a prestação de contas desse tipo de gasto não foi informatizada, mantida a média do Planejamento em volume de papel, a CPI receberá nada menos do que 3.700 caixas com os dados de toda a Esplanada.LACREA entrega de documentos só está centralizada no Planejamento porque foi a essa pasta que o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) solicitou os dados de cada um dos 37 ministérios, em requerimento aprovado pelo plenário da CPI. Mas nem por isso a secretaria-executiva tomará conhecimento dos dados. Técnicos do setor informam que a orientação é para que as caixas saiam lacradas de cada ministério diretamente para a CPI.Como todo o material terá de passar nas mãos do relator Luiz Sérgio (PT-RJ), líderes governistas avaliam que a conclusão dos trabalhos vai demorar muito além do prazo inicial de 90 dias previsto para o encerramento do inquérito.Ainda assim, o governo está preocupado com os ânimos acirrados na CPI. Um líder governista advertiu o Planalto de que a história do dossiê sobre os gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ressuscitou uma CPI que estava morta.GASTOSSó o gasto do governo com cartões contabilizado em 2008 já chega a cerca de R$ 9 milhões, segundo novos dados do Portal da Transparência. As contas referem-se a dezembro, janeiro e fevereiro. No mesmo período do ano passado os gastos desse tipo foram de R$ 7,65 milhões.Para a Controladoria-Geral da União (CGU), é normal que o valor de despesas desse tipo aumente, pois o governo tem promovido a adoção gradual do cartão corporativo no lugar dos antigos fundos de suprimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.