Comissão investiga suposta contaminação de soro

Os 65 pacientes que se submeteram a cirurgia na Casa de Saúde Santa Ifigênia, em Caruaru, no agreste pernambucano, no período de 1 a 10 de março, serão investigados pela comissão médica estadual instituída pela Secretaria de Saúde de Pernambuco para apurar uma possível contaminação causada pelo soro Ringer Lactato, fabricado pela empresa cearense Farmace. Na semana passada, duas pessoas morreram e outras duas ficaram em estado grave, precisando ir para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), devido a forte hemorragia ocorrida durante operações na sala de cirurgia do hospital.Entre os casos a serem investigados estão incluídas três mortes com quadros de hemorragia. Os familiares desses pacientes desconfiam da possibilidade de contaminação, mas o diretor clínico do Santa Ifigênia, Marcelo Gomes, informou que todos eram doentes graves que já chegaram ao hospital com sangramento. "Levantamento preliminar realizado pela Vigilância Sanitária estadual indicou que apenas quatro pacientes tiveram coagulação intravascular disseminada (hemorragia adquirida por um fator externo), disse. "Mas todos serão investigados".Ele lembrou que as quatro pessoas contaminadas chegaram bem ao hospital. Morreram Mauricélia Venâncio, 31 anos, depois de fazer cesariana, e Délcio Freitas Fonseca, 76, que fez cirurgia de próstata. Josefa Severina da Silva, 43, que fez cirurgia de mama, e Lidiane Djanira Silva, 23, que fez cesariana, também tiveram intenso sangramento e foram transferidas para o Recife. Josefa está fora de risco e Djanira continua na UTI em observação.Além do soro Ringer Lactato, outros sete medicamentos de uso comum dos quatro pacientes contaminados estão sendo analisados pela Vigilância Sanitária, a exemplo de soro fisiológico, soro glicosado, água destilada e analgésicos. O soro, porém, é apontado como o maior suspeito pelo Santa Ifigênia e foi o utilizado em maior volume. O produto teve o uso e comercialização suspensos por determinação estadual e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) interditou o lote suspeito no País.Amostras do Ringer Lactato e dos outros medicamentos estão sendo analisadas. A conclusão das investigações deve ocorrer em 25 dias. Na Bahia, a Divisão de Vigilância Sanitária (Divisa) da Secretaria de Saúde interditou hoje dois lotes do soro Ringer Lactato enviados para hospitais da rede pública dos municípios de Feira de Santana e Jacobina. Equipes da Divisa foram deslocadas para as duas cidades para lacrar os lotes do soro e recolher amostras que serão analisadas pelo Laboratório Central do Estado com sede em Salvador.Até o momento, porém, não houve registro de problemas causados pelo soro Ringer Lactato nos hospitais de Feira de Santana e a Jacobina onde estavam sendo utilizados. Os médicos não registraram os sintomas descritos no hospital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.