Comissão espera laudo da Unicamp sobre fitas

O presidente da comissão de sindicância encarregada de investigar se houve a violação do painel eletrônico do Senado na votação que resultou na cassação do mandato de Luiz Estevão (PMDB-DF), Dirceu Teixeira de Matos, disse que somente depois de concluída a análise encomendada a peritos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) é que será possível dizer se foi aberto o sigilo do voto dos senadores. Ele disse não dispor de dados para confirmar a informação do jornal Folha de S.Paulo, de que o Serviço de Processamento de Dados do Senado (Prodasen) teria aberto o sigilo do painel. O jornal atribuiu a informação a duas pessoas que teriam decidido revelar o fato sob a condição de que suas identidades fossem preservadas. "Não podemos nos basear em informes anônimos", afirmou. Temos de nos basear em fatos concretos". Dirceu Matos previu que a auditoria dos peritos da Unicamp ficará pronta "em uma ou duas semanas". Ele justificou o prazo lembrando tratar-se de um trabalho meticuloso, capaz de encontrar "rastros" que vão identificar, se for o caso, a senha de quem violou o sigilo do painel. "Os técnicos vão ter de analisar o disco rígido do computador", explicou. "Por enquanto não podemos sequer confirmar que houve a violação", ressalvou. Nomeada pelo presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-SP), a comissão foi criada dia 23, quando o painel eletrônico foi lacrado. Já o acerto para que especialistas da Unicamp façam o rastreamento do painel foi firmado na última sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.