André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Comissão do Senado propõe limitar doações eleitorais

Pelo texto elaborado pelo relator da comissão, senador Romero Jucá (PMDB-RR), a doação de cada empresa não poderá exceder 7% do total de gastos de campanha de cada candidato

Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

01 de julho de 2015 | 17h02

Brasília - A comissão especial que discute a reforma política no Senado apresentou nesta quarta-feira, 1, uma proposta para limitar as doações eleitorais de pessoas jurídicas a candidatos. 

Pelo texto elaborado pelo relator da comissão, senador Romero Jucá (PMDB-RR), a doação de cada empresa não poderá exceder 7% do total de gastos de campanha de cada candidato. Esse porcentual seria calculado com base no teto de gastos comunicado à Justiça Eleitoral. 

Jucá afirmou que escolheu o patamar de 7% por considerar um número "razoável", já que isso evita que uma única empresa seja a responsável por uma grande fatia dos repasses a um candidato. "Coloquei um número que acho razoável. Poderia ser 5%, 10%, 15%", afirmou. 

Na Câmara, a proposta aprovada permite apenas a doação para partidos, que depois repassariam os recursos aos candidatos. A PEC ainda terá que passar por mais um turno de votação na Casa. 

Nesta quarta, o grupo de senadores elencou temas considerados prioritários e que deveriam ser votados pela Casa até o dia 17 de julho, quando inicia o recesso parlamentar. 

A comissão decidiu começar a discutir os projetos que criam uma alternativa ao fim da coligação proporcional, que foi rejeitado pela Câmara.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.