Pedro França/Agência Senado
Pedro França/Agência Senado

Comissão do Senado mantém prazo e sabatina de Moraes deve ocorrer semana que vem

Com a decisão de Antonio Anastasia (PSDB-MG), ministro licenciado da Justiça deve ser sabatinado apenas na terça, 21

Julia Lindner e Isabela Bonfim, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2017 | 12h25

BRASÍLIA - O vice-presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Antonio Anastasia (PSDB-MG), decidiu nesta terça-feira, 14, manter o prazo de cinco dias úteis para a realização da sabatina de Alexandre de Moraes para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). A decisão foi tomada após articulação da base do governo para realizar a sabatina em 24 horas. Com a decisão, Moraes deve ser sabatinado apenas na terça-feira, 21.

Anastasia presidiu a sessão desta terça-feira, 14, no lugar de Edison Lobão (PMDB-MA), presidente da CCJ, que é investigado na Lava Jato. O senador argumentou que o intervalo entre a leitura do relatório sobre o indicado e a sabatina não serve apenas para os senadores, mas também para que a população tenha oportunidade de conhecer melhor o currículo e os posicionamentos do candidato à ministro do STF. Apesar de pertencer à base do governo, a posição de Anastasia convergiu com a da oposição, que pedia mais prazo para debater a indicação de Alexandre de Moraes. 

A antecipação da sabatina foi bancada na comissão pelo líder do governo no Congresso, Romero Jucá (PMDB-RR), que defendeu, com base em casos anteriores, que a sabatina fosse realizada em 24 horas. Depois da decisão de Anastasia, entretanto, Jucá recuou e afirmou que não entraria com recurso da decisão para evitar clima de "animosidade". 

Durante a sessão, diferentes senadores argumentaram contra a intenção de antecipar a sabatina de Moraes. A senadora Regina Sousa (PT-PI) disse que esteve mais cedo com o candidato, que tem visitado senadores para se apresentar pessoalmente, e que ele mesmo afirmou que não contava com a possibilidade de ser sabatinado no dia seguinte e que possuía ainda uma agenda de visitas até a próxima quinta-feira. 

Dois senadores da base do governo também falaram contrariamente à antecipação. Lasier Martins (PSD-RS) e Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) pediram que fosse cumprido o regimento e não exceções. Após a decisão de Anastasia, a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), que também pertence à base, aplaudiu a resolução. 

Relatório. O senador Eduardo Braga (PMDB-AM) apresentou, na manhã desta terça-feira, seu parecer favorável à indicação de Moraes para o cargo de ministro do Supremo. De acordo com o senador, o indicado mostra ter experiência profissional, formação e afinidade intelectual e moral. Ele também pontuou que os três processo em que Moraes figurou como réu já foram extintos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.