Comissão do Senado aprova 'PEC dos mensaleiros'

A proposta prevê perda automática de mandato em casos determinados pelo Supremo; texto ainda precisa ser votado em dois turnos pelo plenário do Senado antes de seguir para a Câmara

Erich Decat - O Estado de S. Paulo,

14 de agosto de 2013 | 14h26

BRASÍLIA - Os integrantes da Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovaram nesta quarta-feira (14) proposta que altera a Constituição e estabelece a perda imediata dos mandatos dos parlamentares condenados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), última instância da Justiça. De acordo com a proposta, a perda imediata do mandato ocorrerá após a comunicação do Poder Judiciário ao Congresso, mas somente quando os ministros do Supremo determinarem a cassação do parlamentar.

A proposta, que tem como autor Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) e ficou conhecida como a PEC dos mensaleiros, ainda precisa ser votada em dois turnos pelo plenário do Senado e depois ser encaminhada para discussão da Câmara. Ela também não deverá ter efeito retroativo. Dessa forma, as novas regras não devem atingir, por exemplo, o deputado Natan Donadon (sem partido-RO), que, apesar de estar preso desde o final do último mês de julho, ainda detém o mandato de parlamentar.

As novas regras também se aplicam apenas aos crimes de improbidade administrativa, quando imposta a pena de perda do cargo ou da função pública ou para a condenação criminal que tenha por efeito a perda do cargo.

"A perda de mandato será uma simples comunicação à Mesa da Câmara e do Senado ao plenário e mais nada. Não virá a votação do plenário nestes casos", afirmou o relator da proposta, senador Eduardo Braga (PMDB-AM).

Segundo o senador, nos casos em que o STF condenar um parlamentar e não determinar a perda de mandato, caberá ao Senado ou a Câmara decidir sobre a cassação do parlamentar em votação aberta no plenário.

Na última quarta-feira, o STF condenou, por unanimidade, o senador Ivo Cassol (PP-RO) pelo crime de fraude a licitações ocorridas quando ele foi prefeito da cidade de Rolim de Moura (RO), entre 1998 e 2002. Na ocasião, a Corte entendeu que cabe ao Senado decidir sobre a perda de mandato de Cassol, alterando dessa forma posição firmada durante o julgamento do mensalão. O novo entendimento ocorreu após mudança na composição do STF com ingresso dos ministros Teori Zavascki e Roberto Barroso.

De acordo com a PEC, também deverá ficar a cargo de uma decisão do plenário do Congresso, com votação aberta, os casos em que os parlamentares sejam condenado para crimes considerados de menor potencial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.