Comissão do DF pode aprovar cassação de deputados

Grupo da Câmara Legislativa deve aprovar pareceres de relator para abrir processos disciplinares

estadao.com.br,

25 Fevereiro 2010 | 09h44

A Comissão de Ética da Câmara Legislativa do Distrito Federal deve se reunir nesta quinta-feira, 25, para analisar os pareceres do corregedor temporário da Casa, deputado Raimundo Ribeiro (PSDB), sobre os pedidos de cassação de nove deputados distritais por quebra de decoro parlamentar.

 

Veja também:

link Arruda pede que Supremo adie julgamento

link STF não descarta hipótese de intervenção

link Corregedor pede processo contra deputados

especialEntenda a operação Caixa de Pandora

 

O Comitê de Ética precisa aprovar os pareceres de Ribeiro para que os processos disciplinares sejam abertos. Cada caso terá seus relatores escolhidos por sorteio, e caberá a estes intimar os acusados, que terão 30 dias para a defesa. A partir da intimação, eles não poderão mais renunciar para fugir de eventual punição.

 

Oito dentre os deputados citados por Ribeiro são acusados de envolvimento no esquema de pagamento de propina no governo de José Roberto Arruda, que ficou conhecido como "Mensalão do DEM". O outro parlamentar é o atual presidente da Câmara, Cabo Patrício (PT), acusado de favorecer empresas em projeto de lei.

 

O deputado do PT é autor de um projeto de lei que teria o objetivo de beneficiar empresas ligadas ao ex-presidente da Câmara, Leonardo Prudente (sem partido, ex-DEM).

 

Os casos dos deputados Prudente, Júnior Brunelli (PSC) e Eurides Brito (PMDB) são considerados os mais graves, porque eles foram flagrados em vídeo recendo dinheiro. Nos bastidores, é dada como certa a renúncia dos três para escapar da cassação. Brito e Prudente negam. Brunelli não fala com a imprensa.

 

Os outros cinco governistas que podem responder a processo por quebra de decoro são: Benício Tavares (PMDB), Benedito Domingos (PP), Rogério Ulysses (sem partido, ex-PSB) e Roney Nemer (PMDB).

 

Com informações da Agência Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.