Comissão de Reforma Política adia votação sobre sistema eleitoral

Senadores não fecham proposta única sobre o tema e discussão será na quinta-feira; na reunião desta terça, colegiado optou pelo fim das coligações partidárias

Andrea Jubé Vianna, da Agência Estado

22 de março de 2011 | 19h02

Brasília - A Comissão Especial de Reforma Política do Senado adiou nesta terça-feira, 22, para quinta-feira, 24, a decisão sobre o sistema eleitoral, considerado o item principal da reforma política. O modelo será definido entre o voto proporcional com lista fechada, o voto distrital misto com lista fechada e o chamado "distritão". Na reunião dessa terça, o colegiado decidiu somente, por unanimidade, o fim das coligações nas eleições proporcionais.

Veja também:

linkEscolha de sistema eleitoral não tem consenso nem dentro de partidos

linkComissão aprova fim da reeleição para presidente

Em defesa do "distritão" - voto majoritário para deputados federais e estaduais -, o presidente da comissão, senador Francisco Dornelles (PP-RJ), afirmou que o modelo "é o que mais aproxima o eleitor do candidato". O formato transforma as 27 unidades federativas em distritos, eliminando o cálculo do quociente eleitoral. Segundo o progressista, esse modelo barateia as campanhas e extingue injustiças como a eleição de candidatos "sem voto", favorecidos pelas coligações. "Quem tem voto se elege, quem não tem não se elege", resumiu.

A bancada tucana na comissão defendeu o voto distrital misto, de forma que metade dos candidatos seja eleita pelo distrito e a outra metade, pelo voto em lista partidária. O senador Aécio Neves (PSDB-MG) defende que os partidos realizem prévias e consultas junto aos diretórios regionais para a elaboração da lista.

Segundo Aécio, o voto em lista partidária contribuirá para o fortalecimento dos partidos, que serão obrigados a escolher nomes qualificados para representá-los nas eleições. Rechaçando as críticas de que o modelo criaria a "ditadura dos partidos", Aécio pondera que não existe "sistema que de um dia para o outro traga apenas benefícios e virtudes". Ele não descarta a presença de "alguns caciques" e lideranças próximas às cúpulas partidárias nas listas, mas ressalta que a tendência é a "melhoria e qualificação dessa lista".

Manutenção. Pela manutenção do voto proporcional com lista fechada, o líder do PT, Humberto Costa (PE), contestou as críticas de que esse modelo privilegia os caciques partidários e fecha as portas para novos talentos. Para o petista, a lei eleitoral deverá estabelecer critérios para que os partidos componham as listas de forma democrática, sem beneficiar ou prejudicar os candidatos.

Embora outras propostas tenham sido discutidas, como a manutenção do sistema atual, defendida pelo PR, e o voto distrital puro, esses três modelos foram selecionados para serem votados na próxima reunião, marcada para quinta-feira. Nessa oportunidade, o colegiado também formalizará a opção pelo fim das coligações. Para o senador Francisco Dornelles (PP-RJ), a medida fará com que o número de candidatos em cada Estado "aumente cinco vezes". Em contrapartida, o novo formato favorece o fortalecimento dos partidos e põe fim ao aluguel de legendas nas eleições, em troca de tempo de televisão e apoio político.

Tudo o que sabemos sobre:
Senadoreformacoligações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.