Dida Sampaio/Estadão - 27.11.2014
Dida Sampaio/Estadão - 27.11.2014

Comissão de Ética isenta Traumann de infração em documento do 'caos político'

Colegiado ainda alertou a Secom de que a divulgação de informações do governo federal não deve ser usada em 'disputas político-partidárias'

Rafael Moraes Moura, O Estado de S. Paulo

28 de julho de 2015 | 20h11

Atualizado às 21h54

Brasília - A Comissão de Ética Pública da Presidência da República alertou nesta segunda-feira, 28, a Secretaria de Comunicação Social (Secom) que a divulgação de informações do governo federal não deve ser usada com a "finalidade de subsidiar ou favorecer a participação de autoridades em disputas político-partidárias". 

A recomendação consta no relatório do conselheiro Mauro Menezes, que isentou o jornalista Thomas Traumann de ter cometido infração ética por conta da elaboração de texto interno que apontava uma situação de "caos político" e "comunicação errática" do Palácio do Planalto. O caso foi revelado com exclusividade pelo portal www.estadao.com.br

Entre as sugestões feitas pela Comissão de Ética à Secom estão a de que página pessoal da presidente Dilma Rousseff no Facebook seja administrada pela própria secretaria - atualmente, existe um perfil intitulado "Dilma Rousseff" gerenciado pelo Partido dos Trabalhadores.

A comissão também alerta para o cuidado de separar "matérias de interesse unicamente privado e aquelas de interesse público, de forma a garantir que assuntos de caráter estritamente pessoal e íntimo das autoridades não sejam objeto de veiculação com base no aparato público". 

Goleada. O processo para apurar a conduta de Traumann foi instaurado em 24 de março, a pedido do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP). Um dia depois, o jornalista pediu à presidente Dilma Rousseff exoneração do cargo.

O documento produzido pela Secom afirmava que os apoiadores da presidente estavam levando uma "goleada" da oposição nas redes sociais. O texto apontava como saída o investimento maciço em publicidade oficial em São Paulo, cidade administrada pelo petista Fernando Haddad e que virou o epicentro das manifestações anti-Dilma.

De acordo com o texto, "a guerrilha política precisa ter munição de dentro do governo, mas ser disparada por soldados fora dele".

Consumo interno. Conforme relatório do conselheiro Mauro Menezes, o jornalista alegou em sua defesa que o documento foi produzido apenas para "consumo interno" e, por essa razão, conteria "linguagem cotidiana, metáforas fáceis e autocríticas duras". 

Traumann também explicou que o texto foi distribuído, "através de e-mail particular, entre ministros de Estado" e que pretendia ser "apenas uma avaliação de conjuntura preparada para servir de base a debates internos". De acordo com o relator, o jornalista se penitenciou por ter usado "metáforas bélicas ao longo do texto". 

Na opinião do conselheiro relator, o linguajar foi "inadequado". "Em que pese a impropriedade da linguagem comparativa bélica escolhida pela ex-autoridade, da interpretação do texto em sua inteireza deduz-se não ter havido transgressão ética a justificar a imposição de sanção por esse motivo", concluiu Menezes.

Por meio de nota, o ex-ministro da Secom informou que a decisão do Conselho de Ética da Presidência da República "foi esperada". Veja abaixo a íntegra da manifestação de Traumann:

"A decisão foi a esperada. O texto em questão foi enviado em março para colegas ministros como um alerta sobre omissões e erros na comunicação do governo pós-eleição. O governo federal, na minha avaliação, não respondia com a clareza necessária a preocupações naturais da sociedade, como as medidas para evitar novos casos de corrupção como os da Petrobrás, os motivos para a alta nos preços da gasolina e da energia elétrica, os critérios para cortes em programas sociais como o FIES e, principalmente, como se daria retomada do crescimento econômico depois do ajuste fiscal. Responder aos questionamentos e dúvidas da sociedade é uma obrigação de todo bom governo"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.