Comissão de Ética da Presidência abre apuração contra Tuma Júnior

Tuma Júnior terá cinco dias para prestar esclarecimentos, afirmou o presidente da Comissão, Sepúlveda Pertence

Leandro Colon / BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo

10 Maio 2010 | 15h48

O presidente da Comissão de Ética da Presidência da República, Sepúlveda Pertence, anunciou nesta segunda-feira, 10, a abertura de uma apuração sobre o envolvimento do secretário Nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, com a máfia chinesa de São Paulo.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif PF liga secretário nacional de Justiça a chefe da máfia chinesa

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Escuta mostra Tuma Júnior tentando relaxar apreensão de US$ 160 mil

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif PF mostra ação de secretário para liberar contrabando de chinês

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Gravação mostra lobby de Tuma Júnior em favor de 'genro'

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Tuma Júnior diz que investigação da PF é 'armação'

 

"A Comissão resolveu instaurar o que chamamos de procedimento preliminar de apuração. Concedemos à autoridade (Tuma Júnior) cinco dias para prestar esclarecimentos que entenda devidos", disse Pertence.

 

A decisão de cobrar explicações do secretário de Justiça foi tomada em reunião pelos integrantes da Comissão de Ética. Gravações telefônicas e e-mails interceptados pela Polícia Federal, durante investigação sobre operações de contrabando, ligam Tuma Júnior ao principal alvo da operação, Li Kwok Kwen, conhecido como Paulo Li.

 

A Comissão pediu ainda informações à Polícia Federal e à Justiça. "Requeremos à Polícia Federal os elementos que tiver e solicitamos também do Juízo, onde consta, segundo noticiário, um processo em curso", explicou Pertence.

 

Após as explicações de Tuma Júnior e as outras informações prestadas, a Comissão de Ética decidirá sobre a abertura ou não de um processo disciplinar contra o secretário de Justiça. Pertence informou ainda que a Comissão de Ética tem direito a receber as informações consideradas sigilosas sobre o caso. O decreto que criou a Comissão impõe às autoridades as informações requeridas sem que lhe possam impor o segredo de Justiça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.