Comissão da Presidência recomenda a Dilma exonerar Lupi

A Comissão de Ética Pública da Presidência da República encaminhou à presidente Dilma Rousseff a recomendação de exoneração do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, envolvido em denúncias de irregularidades na pasta.

REUTERS

30 de novembro de 2011 | 20h56

A decisão da comissão, unânime, foi anunciada nesta quarta-feira pelo seu presidente, Sepúlveda Pertence, e considerou que houve suposto desvio de ética em denúncias que apontam irregularidades em convênios no Ministério e cobrança de propina na pasta.

Dilma pode ou não acatar a decisão da comissão. O Palácio do Planalto não informou imediatamente como a presidente reagiu ao saber da decisão.

O procedimento de apuração foi aberto no início do mês e, segundo Pertence, as explicações de Lupi ao Congresso e à própria comissão foram "não satisfatórias" e "inconvenientes de um ministro".

"Ele se defendeu e a comissão entendeu que ele não tinha explicado a base das acusações, que era a série de convênios irregulares firmados por pessoas do seu partido", disse Pertence a jornalistas.

"(Encaminhamos à Dilma) a recomendação da comissão para exoneração do ministro do Trabalho."

Procurado pela Reuters, Lupi não foi localizado para comentar a decisão. Já a assessoria do Ministério do Trabalho disse que ainda não tinha sido informada.

O Ministério do Trabalho foi alvo de denúncias de suposto esquema de cobrança de propina de organizações não-governamentais (ONGs) conveniadas com a pasta, num esquema que serviria para abastecer o caixa do PDT, partido de Lupi.

O ministro também foi acusado de ter pego "carona" em avião providenciado por um empresário e dirigente de ONG, que meses depois assinou convênios com o ministério.

(Reportagem de Hugo Bachega; Reportagem adicional de Jeferson Ribeiro)

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICACOMISSAOLUPI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.